Pesquisar este blog

6 de jan de 2017

Parfums de La Bastide Éclatant, Insouciante, Insolite, Exquise e Ardent - Fragrance Reviews


No mercado atual, um projeto como o da jovem marca Parfums de La Bastide não é mais garantia de sucesso. Em 2014, ano em que a marca foi criada, já tínhamos um mercado saturado em novas marcas em praticamente qualquer faixa de preço e posicionamento. É necessário ter um conceito que esteja muito bem amarrado e composições que mesmo que não sejam inovadoras consigam se destacar de alguma forma. E esse é o principal problema da Parfums de La Bastide, ser mediana em ambos os campos.

Conceitualmente, nesse ponto da competição fica difícil se destacar com uma história que explore que os criadores da marca resolveram criar uma nova marca para recuperar algum prestígio da perfumaria (no caso, da região de Provence) após terem saído de outra empresa. Isso já foi explorado mais de uma vez e deixou de ser exatamente novo e interessante. Além disso, da forma como os nomes e conceitos são construídos, não há nada que fique claro em como Provence é homenageada com as matérias-primas escolhidas. Por quê determinada emoção é atrelada a determinada nota? E, tirando a lavanda, quais são as conexões das outras principais notas com Provence? E se o objetivo é prestigiar a região, por quê não dar um ar mais mediterrâneo aos perfumes?

Deixando de lado a parte dos conceitos, os perfumes em si também não emocionam. Seria mentira dizer que não são agradáveis, mas evoluem sem grandes surpresas ou riquezas na pele. Em alguns momentos, passam a sensação de dejá-vu também. Descrevendo os 5 primeiros que foram lançados, temos:

Eclatant: cumpre o papel de cítrico dentro da coleção e oferece um frescor suculento em um coração floral luminoso e uma base de musks. Basicamente é uma variação da temática explorada no Light Blue, com mais naturalidade talvez nos limões e com um evolução floral de tília. 

Insouciante: é o perfume floral dentro do conjunto, um que oferece rosas com aspecto verde e delicado combinadas a tons frutais de groselha. Outra criação da marca que faz lembrar de forma geral perfumes de rosas que vem sido explorados a algum tempo na perfumaria comercial, sem acrescentar nada de interessante. Termina com um acorde vagamente amadeirado de sândalo com tons cremosos de musk.

Insolite: talvez seja o ponto mais alto da coleção, já que oferece uma boa Lavanda, sem muitas conotações de produto de limpeza, com nuances cítricas e uma base amadeirada abstrata e com nuances de iris. Ainda sim, tudo que Insolite faz o L'Artisan Bucoliques de Provence faz e de forma mais interessante.

Exquise: talvez seja o nome mais contraditório da coleção, pois o perfume é tudo menos sofisticado. Temos aqui um acorde genérico de figo fresco combinado a tons de rosa, quase como que uma modificação do Insouciante para um tema de figo. É o tipo de perfume que eu veria a Victoria Secrets oferecendo em um body splash: algo fresco, frutal e floral com um quê vago adocicado..

Ardent: basicamente uma variação do Shiseido Feminite du Bois, porém menos exótico, com mais foco nas madeiras e apenas sugerindo as especiarias e o aspecto frutal rico. De todos é o que tem a melhor performance na pele e poderia ser interessante se Serge Lutens não tivesse relançado em sua linha o clássico descontinuado.

Em resumo, basicamente nada na Parfums de La Bastide é memorável. A marca se posiciona como contemporânea, porém só é perceptível isso nos frascos, já que nos perfumes a inspiração parece vir de vários anos atrás. É possível fazer o clássico de forma rica e interessante, mas definitivamente não é o que acontece aqui.