Pesquisar este blog

31 de dez de 2016

Retrospectiva 2016 - Parte 3

Olhando para trás em 2016 pela primeira vez tive a sensação de que consegui conhecer e avaliar uns 5% no máximo do que foi lançado o ano todo. Tornou-se uma tarefa hercúlea conseguir amostras e tempo para tudo que é criado a cada ano ao mesmo tempo que você tenta cobrir perfumes já existentes, clássicos e usar os favoritos de todos os tempos. Ainda sim, mesmo testando uma pequena fração do que foi lançado pude encontrar e me agradar de muitas criações e finalizo essa lista com a impressão de que em termos de perfumes usados e avaliados 2016 foi mais positivo que negativo.

21. Guerlain Ne m'Oubliez Pas



Durante os dois últimos anos pode se perceber na Guerlain uma movimentação que busca relançar perfumes comerciais bem mais acessíveis em edições super limitadas e a preço alto, um bom indicativo da tentativa da marca de capitalizar de forma barata. Uma exceção a isso foi o Ne m'Oubliez Pas, lançado em 2015 e avaliado em 2016 no blog. Ainda que seu preço o coloque num patamar exclusivo, sua composição chypre frutada e oriental é uma das criações mais luxuosas que a marca tem a oferecer nos últimos anos e um dos poucos casos dos Guerlain recentes onde se tem a impressão de que você paga caro e recebe pelo que paga em termos de aroma.

22. Chanel No 5 L'Eau



É difícil saber com menos de 1 ano de lançamento se a nova versão do clássico No 5 foi capaz de atingir o público mais jovem que a marca tanto desejava. Apesar disso, No 5 L'Eau foi uma grata surpresa ao não desfigurar o tradicional ao mesmo tempo que cria uma boa versão do mesmo para dias de calor (isso, é claro, se você apreciar musks, que estão em abundância nessa nova versão).

23. Envoyage Rainmaker


O ano de 2016 pode não ter sido repleto de lançamentos para a marca indie En Voyage Perfumes mas o lançamento de Rainmaker foi uma escolha certeira da perfumista Shelley Waddington. Prestando uma homenagem aos rituais de chuva no Noroeste Pacífico a perfumista foi capaz de unir elementos clássicos e sintéticos modernos para criar uma composição com uma aura úmida, verde e chypre que é bem equilibrada e interessante.

24. Atelier Des Ors Lune Feline



A aposta da marca Atelier des Ors no mercado ultra-concorrido de nicho tem sido a de aliar uma apresentação luxuosa e impecável a perfumes de temáticas conhecidas porém pensados nos mínimos detalhes. É assim que Lune Feline se destaca, sendo um perfume de baunilha que vai além da temática doce a macia dessa nota e oferece um lado mais misterioso, animálico e viciante. Um belíssimo perfume.

25. Daniel Barros Yuzucello



Vários perfumes da coleção barista poderiam ter entrado nessa compilação de melhores do ano, porém escolho Yuzucello por mostrar um lado da coleção que busca equilibrar a singularidade e criatividade com um apelo mais popular e comercial. O Daniel aqui consegue fazer um híbrido entre gourmand e cítrico em um perfume super agradável e que evolui bastante na pele ao longo do tempo.

26. Bruno Fazzolari Seyrig



Bruno Fazzolari tem sido outro artista e perfumista independente que em meio a  multidão de lançamentos tem preferido investir num crescimento orgânico de sua linha, com poucos lançamentos atemporais em sua natureza e clássicos em sua textura. Em Seyrig, Bruno faz uma composição de muito glamour clássico utilizando-se dos aldeídos para tornar grande um bouquet floral cremoso, criando assim outro dos grandes destaques desse ano.

27. O'DRIU Gothic Angel



Certamente Angelo Orazio Pregoni esteve muito inspirado em 2016 visto que o perfumista criou o que para mim são dois de seus melhores perfumes. Gothic Angel mira um estilo diferente de mensageiro angelical do aroma impactante e carregado de Italian Angel e nos trás um anjo que olha para aspectos clássicos da perfumaria do passado enquanto mira no futuro. É uma composição que vale a pena ser conferida pessoalmente dado o caráter complexo de seus elementos e esse foi outra criação que muito me inspirou esse ano a escrever e ao me dar prazer em escrever a seu respeito.

28. Dawn Spencer Hurwitz Chinchilla



É praticamente uma raridade que Chinchilla entre em uma lista de destaque para mim, visto que não sou fã de perfumes animálicos e tenho dificuldade em apreciá-los. Porém, o trabalho feito ao redor do absoluto de mel cria nessa composição uma textura animálica macia, aconchegante e viciante e é um perfume que se destacou imediatamente assim que seu cheiro foi sentido na amostra. Um dos melhores trabalhos desse ano de uma perfumista que está sempre inspirado a nos brindar com boas composições.

29. Loewe 001 Man


Com uma abordagem que mistura elementos da perfumaria comercial com a perfumaria de nicho Loewe 001 Man foi uma das boas surpresas do ano. Essa é uma criação da qual eu nada esperava e que fui surpreendido pela complexidade das texturas de sua composição, capaz de unir tons atalcados e terrosos de iris, toques gourmands discretos, aspectos cítricos e um aroma amadeirado complexo. Um perfume que mostra que é possível ser refinado mesmo se atendo as tendências.

30. Sylvaine Delacourte Florentina



O lançamento da marca de Sylvaine Delacourte foi certamente uma das surpresas boas de 2016. Ao alçar vôo solo, a diretora criativa da Guerlain investiu em uma linha compacta, elegante e de personalidade bem definida, nada que atire para todos os lados na tentativa de agradar a todos. Florentina é um dos grandes destaques da marca e do ano, um perfume que alia o aroma complexo e sofisticado da iris a um acorde macio e de qualidade de musks e tons cremosos, fechando um ano que nos brindou com excelentes perfumes de iris.