Pesquisar este blog

28 de dez de 2016

Retrospectiva 2016 - Parte 1

É sempre difícil para mim no final de cada ano fazer uma retrospectiva. Por mais que um ano tenha sido pesado (e 2016 certamente foi e com grande estilo), no campo da perfumaria há sempre gratas surpresas e bons perfumes. Vejo que ano após ano as pessoas reclamam que a perfumaria perdeu sua alma, deixou de ser interessante ou até mesmo empolgante. Porém, ao folhear tudo que foi avaliado em um ano sempre fico com a mesma impressão: bons perfumes tem sido lançados ano após ano, basta procurar nos lugares certos. E nesse momento, o lugar certo tem sido a perfumaria indie, que ao não ter a obrigação de vender milhares de frascos acaba voltando-se mais para a criatividade e aspecto artístico das criações. Você certamente perceberá que a minha retrospectiva tem um viés muito forte para essa perfumaria, pois tentei ser fiel ao que me emociona e me encanta em perfume - o que nem sempre envolve grande marcas, altos preços ou frascos rebuscados.

Observação: para ler as avaliações basta clicar no nome do perfume na lista

1. La Via Del Profumo Don Corleone



Certamente a marca italiana La Via Del Profumo é uma das minhas favoritas no quesito perfumaria natural, com composições simples que exploram a complexidade e riqueza dos óleos essencias e absolutos naturais. Don Corleone faz a fusão de grandes notas dramáticas (tabaco, baunilha e tuberosa) e um perfume dramático e muito italiano.

2. House of Matriarch Sex Magic



Christi Meshell tem feito um trabalho fabuloso a frente de sua House of Matriarch, que une uma proposta mais mística com uma apresentação luxuosa e impecável e perfumes bem elaborados e sofisticados. Sex Magic acabou sendo um dos favoritos do ano e o favorito da marca, uma composição de couro maravilhosa e realmente sensual.


3. Alaïa Paris



Alaïa Paris para mim representa uma espécie em extinção dentro da perfumaria comercial, um perfume que é feito de acordo com os gostos e visões do artista por trás da marca e não um perfume feito para agradar a todos e vender horrores facilmente. Pode até não parecer, mas sua combinação de musks, tons aquáticos e aldeídos é algo arriscado e interessante e que facilmente se destacou durante o que foi avaliado esse ano.

4. Olfactive Studio Still Life in Rio



Still Life in Rio é o tipo de perfume que eu gosto de provar, daqueles que me fazem pagar a língua e rever preconceitos. A proposta tem o que eu costumo detestar em um perfume inspirado no Brasil, os clichês tropicais de sempre, mas a execução ao redor dos tons frutais e lactônicos, o aroma cítrico e a base de resinas é simplesmente deliciosa para se resistir. Ao testá-lo recentemente em uma avaliação cega me surpreendi mais ainda com seu aroma cativante. É realmente um dos destaques da marca e um dos destaques esse ano.

5. Evocative Perfumes Nirvana


A australiana Evocative Perfumes é uma marca que merece destaque no ano ao oferecer composições sofisticadas a um preço acessível e que performam muito bem em um meio muito difícil de trabalhar, o dos perfumes oleosos. Nirvana é um dos destaques da marca e um destaque esse ano, um perfume que explora de forma harmônica a temática do oud tentando manter-se fiel aos aspectos mais complicados da nota ao mesmo tempo que não perde de vista a usabilidade do resultado final.

6. Anna Rivka Eveil



Apesar de não ter sido lançado em 2016, Eveil é um dos perfumes testados esse ano e que encantou pela elegância atemporal de sua composição, na qual você pode perceber um mistura de iris, flores e uma base cremosa que parece evocar a época de ouro da perfumaria e a criações como L'Heure Bleue e Aprés L'Ondee. É um perfume pouco conhecido e difícil de achar, mas que vale a pena a busca.



Rosa Libre é um daqueles perfumes que parecem ter sido criados para a noite, e noite de grandes festas. É uma composição que me remete ao mesmo tempo ao que há de melhor na perfumaria clássica mas soa resolutamente contemporâneo na sua combinação de rosa, aldeídos, ambar e notas cítricas suculentas. A inspiração no drink que leva coca-cola é executada de forma inteligente e com sofisticação. Essa é a minha recomendação se você puder testar apenas 1 da linha,




Certamente 2016 foi um ano crucial para Victor Wong e sua marca independente de perfumes, a Zoologist. Criado em 2015 mas ganhando grande destaque esse ano, Victor e a perfumista Ellen Covey se arriscaram e foram muito bem sucedidos em uma criação  inspirada em um animal nem um pouco convencional - os morcegos. O aroma úmido e terroso e com toques frutados é simplesmente inovador, único e muito confortável depois que você se acostuma com sua presença. 

9. Pour Un Homme de Caron Sport



Certamente este foi uma das grandes surpresas do ano, um risco que a marca francesa correu e que valeu a pena. Quem diria que seria possível modernizar o clássico e atemporal Pour Un Homme de Caron em uma versão Sport e não apenas ser bem sucedido como trazer algo novo a um tipo de perfume onde isso raramente se vê? Pour Un Homme Sport não apenas aposta em um frescor de qualidade e bem composto, mas também utiliza as propriedades aromaterápicas dos óleos essenciais de sua fórmula para trazer benefícios ao momento posterior a atividade física. É um caso raro de um perfume sport que eu gostaria de ter.

10. Dawn Spencer Hurwitz Wasabi Shiso


Depois que se torna um hábito constante testar novos perfumes é difícil ser surpreendido com ideias realmente diferentes, entretanto esse foi o caso em 2016 com Wasabi Shiso, um perfume que surpreende ao capturar de forma realista o aroma verde e picante do Wasabi e que agrada ao colocá-lo em um contesto refrescante de uma cologne clássica. É um caso de união do clássico com o moderno, do exótico com o usável e certamente um momento onde Dawn Spencer Hurwitz se mostrou muito inspirada para compor.