Pesquisar este blog

25 de out de 2016

Prada L'Homme - Fragrance Review


Na minha percepção/experiência, há uma linha tênue entre aludir a uma assinatura olfativa e se tornar repetitivo e desinteressante ao começar a repetir um mesmo conjunto de notas em cada novo produto que você oferece. Com a Prada, a tentativa em L'Homme é a primeira e o resultado, infelizmente, é o segundo.

Está bem claro na descrição de L'Homme que não há a intenção de expandir o universo masculino da marca em novas direções, já que o novo perfume é descrito como uma composição que dialoga com as notas clássicas da marca, Ambar e Iris, com a intenção de criar algo reservado, intelectual, desafiador. Desses descritores, o que melhor se aplica a composição é reservado e se há algum diálogo aqui é com perfumes prévios da marca, um mix entre Luna Rossa, Infusion d'Homme e Amber Pour Homme.

L'Homme me faz pensar que talvez exista na perfumaria uma categoria de criações que poderia ser chamada de Genérico Chic - pense em algo que marcas como a Natura e Boticário lançariam com uma verba maior para investir em musks e outros materiais e você tem uma ideia do que eu falo. É uma composição que não empolga, que trás parte do cítrico powdery do Amber Pour Homme, parte de um frescor ao estilo lavanda do Luna Rossa e parte da textura de Iris do Infusion, apenas dando mais doçura e cremosidade a ideia.

Não há nada de fato desafiador aqui e o compartilhamento de ideias com a versão feminina é muito rala. É um perfume que não impressiona, mas que também não se pode dizer que parece pobre ou mal-feito. Apenas falta um pouco de ousadia e identidade talvez, algo que a marca poderia ter feito se tivesse dado ao feminino um contorno mais fougere e ao masculino um acorde floral de frangipani, por exemplo. Aí sim teríamos perfumes com identidades mais complexas, múltiplas e que conversam entre sim.