Pesquisar este blog

1 de set de 2016

Pell Wall Perfumes Relaxed Repose - Fragrance Review


Pell Wall Perfumes Relaxed Repose. Pell Wall Perfumes Relaxed Repose. Não é uma tarefa fácil compor um perfume 100% natural em um momento contemporâneo onde as pessoas não conhecem mais perfumes naturais. Com o advento de bons sintéticos e a pressão constante por eficiência nos custos da fórmula a perfumaria comercial depende basicamente de abstrações e conceitos de marketing para vender uma fantasia de materiais preciosos ao público. Perde-se, entretanto, os efeitos terapêuticos e a riqueza que se pode obter quando se sabe combinar bem o que a natureza têm de melhor a oferecer.

Em Relaxed Repose Chris Bartlett explora justamente as propriedades relaxantes do óleo essencial da lavanda, as antidepressivas do patchouli e da rosa, as propriedades afrodisíacas das flores brancas e o aspecto revigorante dos cítricos. É uma composição que cobre um expecto abstrato de sensações e aromas e que acaba fugindo assim da simplicidade e do excesso de resinas que alguns perfumes naturais costumam ter.

Na saída percebe-se que ervas são utilizadas junto com notas cítricas para proporcionar um aspecto tônico e leve aos primeiros momentos da composição. Elas modulam o aroma da lavanda, tirando uma possível sensação funcional que ela poderia ter. Assim, percebe-se mais as nuances adocicadas da lavanda dando corpo ao buquê de flores brancas e rosas que é utilizado para conferir uma sensualidade discreta a composição. A estrela acaba sendo uma base bem orquestrada, que explora o cheiro amadeirado e terroso do patchouli em contraste com suas nuances gourmands amargas, envolvendo-o em resinas levemente atalcadas.

A construção como um todo me remete a um dos grandes clássicos da Guerlain, o primeiro perfume oriental masculino, Habit Rouge. A diferença talvez é que Relaxed Repose é menos powdery, com uma saída mais clean e menos adocicado na base. É como se fosse um irmão natural do Habit Rouge, tão bem equilibrado e elegante quanto ele e um que está em uma aura de bem estar.

English:

It's not an easy task to compose a scent 100% natural in a contemporary time where people do not know natural perfumes anymore. With the advent of good synthetics and the constant pressure for cost efficiency formula  commercial perfumery depends basically of abstractions and marketing concepts to sell a fancy idea of precious materials to the public. You lose, however, the therapeutic effects and the richness that can be achieved when it is known to combine well what nature has the best to offer.

In Relaxed Repose Chris Bartlett explores precisely the relaxing properties of essential oil of lavender, the antidepressant aspect of patchouli and rose, the aphrodisiac properties of white flowers and the invigorating citrus aspect. It is a composition that covers an abstract expectrum of sensations and aromas and just thereby escaping from the simplicity and excess of resins that some natural perfumes usually have.

At the opening you realize that herbs are used together with citrus notes to provide a tonic and light aspect to the first moments of the composition. They modulate the scent of lavender, taking away a possible functional feeling it could have. Thus, it is clear the more honeyed nuances of lavender giving body to the bouquet of white flowers and roses which is used to impart a discreet sensuality makeup. The star turns out to be a well-orchestrated basis, exploring the woody, earthy scent of patchouli in contrast to their bitter gourmand nuances, involving it in lightly powdery resins.

The building as a whole leads me to one of the great classics of Guerlain, the first oriental masculine perfume, Habit Rouge. The difference perhaps is that Relaxed Repose is less powdery, with a more clean opening and less sweet in the base. It's like a natural brother of Habit Rouge, as well balanced and elegant as he and one that it's on a feel good vibe.