Pesquisar este blog

30 de ago de 2016

Pell Wall Perfumes Crowdsource e Deep Purple - Fragrance Reviews



Quando se trata de perfumaria e do processo de criação e composição de um perfume cada vez mais eu percebo o papel importante que as flores possuem, o quanto seu universo é rico e diversificado e o quão complexa seus aromas são. Isso certamente não é ocasional, as flores são elementos essenciais na continuidade das espécies ao atrair com a exuberância de seu cheiro polinizadores, garantindo assim que seu pólen seja espalhado. Infelizmente na perfumaria comercial ou de nicho ficamos limitados as flores mais básicas e conhecidas, com alguns poucos casos que fogem a exceção. Ou então, temos um perfume unidimensional daquela flor, uma exploração que não se arrisca para não decepcionar. Ao estudar e reproduzir aroma de 2 flores para suas criações avaliadas hoje, Chris faz o trabalho que se espera de uma marca independente e foge justamente desses 2 problemas.

Crowdsource: apenas recentemente perfumes florais com a temática do narciso voltaram a ser explorados e ainda sim essa é uma das flores que na perfumaria raramente ganha o destaque central ou uma execução que faça justiça ao cheiro multifacetado e narcótico que os daffodils (gênero botânico do narciso) costumam ter. Inspirado em um poema que fala justamente de um campo deles, crowdsource faz jus ao aspecto indólico dessa flor, sendo uma composição mais arriscada e cheia de vida. Ao aplicá-lo na pele você tem a sensação de que as flores ainda estão emitindo os compostos voláteis e perfumando o ar com um aroma inebriante, uma mistura de tons frutais, aromas adocicados, picantes, verdes, animálicos e indólicos. A sensação é um caleidoscópio que lembra um misto de jasmim, lírio, ylang-ylang e flor de cravo, as flores sendo combinadas no detalhe micro para no aspecto macro formarem a exuberância do narciso. A base é uma das mais ousadas que eu já vi entre os perfumes da pell wall, aventurando-se em um caminho fougere musk animálico, com um quê de castoreum e musk, no limiar do sujo com o mais limpo.

Deep Purple: a violeta é uma das florais mais clássicas da perfumaria, com seu aroma sendo explorado desde o século 17, antes mesmo da revolução dos sintéticos. Seu aroma é complexo, com um certo ar romântico e melancólico ao mesmo tempo que refrescante e delicado. Não me lembro de muitos perfumes que cobrem todos os aspectos da violeta mas Deep Purple certamente tenta e consegue algo assim. É possível perceber o lado mais aquático e verde das folhas, o aroma com nuance de couro que alguns sintéticos de violeta possuem, o lado mais adocicado que remete a doces de violeta e até mesmo a nuance powdery mais clássica da flor. A criação acrescenta um aspecto levemente herbal e mentolado a ideia para ajudar a ressaltar o aspecto refrescante da violeta e cria uma base simples de musk e tons amadeirados discretos ao redor do conceito. É talvez o único momento do perfume que eu sinto falta de algo que realmente remeta a profundidade prometida no nome - creio que a nuance de couro que aparece brevemente na saída poderia estar presenta na base e um tom terroso de iris poderia ajudar a acrescentar mais corpo e intensidade ao último estágio de evolução da fragrância na pele. Devido ao aspecto mais delicado e refrescante ele me parece um bom perfume complexo de violeta para dias de verão.

English:

When it comes to perfume and the process of creation and composition of an scent more and more I realize the important role that flowers have, how their world is rich and diverse and how complex its aromas are. This is certainly not casual, flowers are essential elements in the continuity of the species by attracting with the exuberance of their smell pollinators, thus ensuring that their pollen is spread. Unfortunately in commercial perfumery or niche one we are limited to the most basic and well-known flowers, with a few cases exceptions going beyond. Or, we have a one-dimensional scent of that flower, a holding which does not risk to not disappoint. By studying and reproducting the aroma  of 2 flowers for their creations reviewed today Chris does the job that is expected of an independent brand and just runs off these two problems.

Crowdsource: only recently floral scents with narcissus theme started again to be explored and yet this is one of the flowers in perfumery rarely wins the central spot in the composition or an execution that does justice to the multifaceted and narcotic smell that daffodils (Narcissus botanical genus) usually have. Inspired by a poem that just speaks of a daffodil crowd, crowdsource lives up to indole aspect of this flower, being a riskier composition and full of life. When applying it to the skin you have the feeling that the flowers are still emitting volatile compounds and perfuming the air with a heady aroma, a blend of fruity tones, sweet-smelling, spicy, green, and animalic indole aromas. The feeling is a kaleidoscope that resembles a mix of jasmine, lily, ylang-ylang and carnation, as if the flowers were combined in micro detail for the macro aspect form of narcissus exuberance. The base is one of the boldest I've seen among the wall pell perfumes, venturing on a fougere animalic musk path, with a hint of castoreum and musk in the threshold of dirty with the cleaner.

Deep Purple: Violet is one of the classic floral fragrance with its aroma being explored since the 17th century, even before the revolution of synthetics. Its aroma is complex, with a certain romantic and melancholy air while being also refreshing and delicate. I do not remember many perfumes that cover all aspects of violet but Deep Purple certainly try and get something in this sense. It is possible to detect the aquatic and green part of the leaves, the leathery nuance aroma some synthetic violet chemicals have, the sweeter side that reminds you of violet candy  and even the most classic powdery flower nuance. The creation adds a slightly herbal and minty aspect to the idea to help highlight the refreshing aspect of violet and creates a simple base of musk and discrete woody tones around the concept. It is perhaps the only time of perfume that I miss something that really refers to the depth promised in the name - i believe that a leather nuance that appears briefly at the opening could be presents at the base and an earthy iris angle could help adding more body and intensity to the last stage of the fragrance evolution on the skin. Due to the delicate and refreshing overall impression it seems a good violet complex scent for summer days,