Pesquisar este blog

10 de ago de 2016

Explorando a Coleção: Donna Karan Signature e Donna Karan Chaos



Português (click for english version):

É bem provável que quem tenha conhecimento da linha de perfumes da Donna Karan a associe mais a criações como Cashmere Mist e a interminável linha de perfumes DKNY Be Delicious. Há um outro lado da marca, porém, que não é muito disseminado e que está ligado aos seus primeiros perfumes nos anos  90 e começo da década de 2000. Nessa era, a estilista esteve na contramão dos perfumes aquáticos, minimalistas e transparentes e lançou criações exóticas, complexas, com ares clássicos e frascos rebuscados. Tais perfumes podem não ter adquirido a popularidade que suas criações posteriores tiveram mas se mostraram dignos de coleções de nicho de boa qualidade. Como já escrevi sobre um deles, o meu favorito Black Cashmere, aproveito a série para explorar dois outros que são fantásticos.

Donna Karan Signature (Versão Original): o primeiro perfume da marca em 1992 ainda reflete o estilo de perfumaria autoral não massificada que veio antes dos anos 90. O frasco por si só já é inusitado - um objeto de arte praticamente, criado pelo então marido da estilista, Stephen Weiss. O que vai dentro dele é uma composição com ares clássicos, rica e que poderia muito bem ter sido lançada pela Guerlain. Signature abre com um leve aspecto aldeídico e um aroma floral de rosas e gerânio bem marcante. Várias nuances se desenvolvem a partir desse ponto: o cheiro amendoado e quase medicinal da heliotropina, o aroma powdery e adocicado de violetas e um acorde de couro que fica entre o rústico do couro clássico e a maciez da camurça. Me chama a atenção ainda a base, que mostra um aroma mais amadeirado, toques ambarados moderados e uma doçura almiscarada que é bem confortável nos momentos finais na pele. É um perfume que poderia muito bem ser unissex pelo seu aroma de couro e pelos tons amadeirados marcantes de sua base. Uma bela criação abstrata e de ótima duração na pele.

Donna Karan Chaos (Versão Collection 2008): desde o momento que conheci Chaos me identifiquei com o seu aroma e até hoje o considero um dos melhores perfumes criados na categoria especiados. Seu cheiro me faz pensar em uma espécie de irmão de polaridade oposta do aroma de labdanum, rosa, cravo e açafrão do maravilhoso Black Cashmere. Chaos também possui um tom exótico como Black Cashmere, mas seu aroma é construído para ser um contraste entre o quente e exótico e o calmo e sereno, um perfume que trazer harmonia e equilíbrio para a modernidade caótica. Seu aroma também utiliza o açafrão como uma parte importante desse conceito, porém ressaltando o lado mais adocicado da especiaria, contrastando-a com pimentas, especiarias frescas e ervas secas para uma impressão luminosa, aconchegante e sóbria. De fundo temos uma interessante base de musk, ambar, madeiras e resinas que complementam o aspecto exótico e sóbrio da composição. Chaos é uma criação feminina que praticamente não contém flores ou acentos florais evidentes e é ainda mais unissex em sua aura do que Signature. A versão lançada em 2008 é bem próxima a versão original que eu tive e vendi uma vez e vale a pena investir nela caso seja encontrada.

English:
It is likely that those who have knowledge of the Donna Karan perfume line  associate the brand  more with creations like Cashmere Mist and the endless line of DKNY Be Delicious perfumes. There is another side of the brand, however, that is not very widespread, which is connected to her first perfumes in the 90s and early 2000s. In this era the  designer was on the oposite way of the aquatic, minimal and transparent perfumes and released creations that were exotic, complex, with classic auras and elaborated bottles. Such perfumes might not have acquired the popularity that her later creations had but proved worthy of good quality niche collections. As I have already wrote about one of them, my favorite Black Cashmere, I take the series to explore two other that are fantastic.

Donna Karan Signature (Original Version): the first perfume from the brand in 1992 also reflects the not massified authorial style of perfumery that came before the 90 decade. The bottle itself is already unusual - an almost art object, created by the then husband of the stylist, Stephen Weiss. What goes in it is a composition with classic rich aura and that could well have been launched by Guerlain. Signature opens with a light aldehydic aspect and a quite striking floral aroma of roses and geraniums. Multiple nuances develop from this point: the almond and almost medicinal smell of heliotropin, the powdery and sweet aroma of violets and a leather accord that lies between the rustic classic leather and the softness of suede. It still draws my attention the base, which shows a more woodsy aroma,  moderate amber touches and a musky sweetness that is very comfortable in the final moments on the skin. It is a scent that could well be unisex for its leather aroma and the striking woody tones of its base. A beautiful abstract creation of good duration on skin.

Donna Karan Chaos (Collection Version 2008): from the moment I met Chaos I identified with its aroma and I still consider it one of the best perfumes created in the spicy category. Its smell makes me think of a kind of opposite polarity brother of the labdanum, rose, clove and saffron  aroma of the wonderful Black Cashmere. Chaos also has an exotic tone as Black Cashmere, but its aroma is built to be a contrast between the warm, exotic and peaceful and serene, a scent that bring harmony and balance to the chaotic modernity. Its aroma also uses saffron as an important part of this concept, but emphasizing the sweeter side of the spice, contrasting it with peppers, fresh spices and dried herbs for a light, warm and sober impression. Its background have an interesting base of musk, amber, woods and resins that complement the exotic and sober aspect of the composition. Chaos is a feminine creation that contain virtually no flowers or evident floral accents and its even more unisex in its aura than Signature. The version released in 2008 is very close to the original version I had and sold once and it is worth investing in it if found.