Pesquisar este blog

5 de jun de 2016

PK Perfumes Heaven Fresh e Starry Starry Night - Fragrance Reviews


Português (click for english version): Paul Kiler é para mim um entre os perfumistas do segmento independente que demonstra bem o charme desse setor, que é a capacidade de fazer um trabalho extremamente pessoal e difícil de ficar indiferente. Percebo que embora haja algumas de suas criações mais fáceis de agradarem de forma geral (como o delicioso Violet Chocolatier), seus perfumes trabalham uma visão bem única e distinta dos aromas que o fascinam. E um deles é certamente o aroma das flores brancas, recorrentes em suas criações nas mais diversas formas. Seus novos lançamentos Starry Starry Night e Heaven Fresh continuam a explorar essa predileção em uma direção que é a o mesmo tempo familiar como nova para o perfumista.

Heaven Fresh é um nome que pode a princípio passar uma falsa sensação de que estamos diante de um perfume que canaliza o típico frescor cítrico e aromático da perfumaria. O frescor ao qual estamos diante aqui é algo mais natural, eu diria até mesmo selvagem - um aroma que tem nuances cítricas em meio a um cheiro verde, entre o úmido e o molhado, pontuado por algo um pouco aquático e metálico, algo que remete a folhas de violeta. É interessante que as flores brancas são retratadas aqui não de forma narcótica, porém capturando seu aspecto terroso, que remete a cogumelo (algo que se percebe mais claramente no aroma da gardênia). Ao mesmo tempo, há uma base chypre, quase terrosa e incensada que reforça essa sensação de um frescor floral mais selvagem. Numa última fase seu cheiro se transforma em algo levemente doce, almiscarado e com toques de coumarina.

Se Heaven Fresh transmite essa ideia mais selvagem e menos narcótica das flores, Starry Starry Night se utiliza da interpretação de Paul de uma tela de Van Gogh para capturar o brilho intenso que elas podem ter. Da mesma forma que Van Gogh utilizou em suas telas um aspecto expressionista e espesso, vibrante, Paul trabalha de forma parecida suas notas nessa composição, sem deixá-las totalmente definidas e perceptíveis. A impressão maior que eu tenho se fosse quantificar é a de um belo acorde imaginário de um híbrido de tuberosas e jasmins, um aroma que evidencia tanto o aroma verde, mentolado e vibrante da tuberosa como o cheiro floral ceroso do jasmim. Vemos isso sob a ótica mais narcótica das flores brancas, porém sem foco em seu aspecto mais adocicado ou frutal. O cheiro delas se mistura a nevoa dos tons de madeiras, incenso, musgo e resinas adocicadas que formam a fase final do perfume na pele.

English:
Paul Kiler is for me one of the perfumers from the independent segment that clearly demonstrates the charm of this sector, which is the ability to make a very personal work and difficult to remain indifferent. I realize that although there are creations in his collection easier to please in general (like the delicious Violet Chocolatier), his perfumes work as very unique and distinctive view of scents that fascinate him. And one of them is certainly the aroma of white flowers, recurrent in the creations in various ways. His new releases Starry Starry Night and Heaven Fresh continue to explore this predilection in a direction that is at the same time new and familiar to the perfumer.

Heaven Fresh is a name that may at first pass a false sense that we are facing a perfume that channels the typical citrus and aromatic freshness of perfumery. The freshness which we are facing here is something more natural, I would say even wild - an aroma that has citrus nuances amidst a green smell of damp and wet, punctuated by something a little acquatic and metallic, which reminds me of violet leaves. Interestingly, white flowers are portrayed here not in its narcotic form, but capturing its earthy aspect, put emphasis on the mushroom side (something that can be seen more clearly in the aroma of gardenia flowers). At the same time, there is a chypre base, almost earthy and incensed that reinforces this sense of a wilder floral freshness. In a final stage the scent turns into something slightly sweet, musky and with coumarin touches.

If Heaven Fresh conveys this idea of more wild and less narcotic flowers, Starry Starry Night uses the interpretation of Paul a Van Gogh canvas to capture the intense brightness that they can have. Just as Van Gogh used in his paintings an expressionist, thick and vibrant aspect, Paul works similarly notes in its composition without letting them fully defined and noticeable. The biggest impression that I have if it were to quantify is that of a beautiful imaginary accord of a tuberose and jasmine hybrid, an aroma that reflects both the green aroma, comphoraceous and vibrant tuberouse and also the waxy floral scent of jasmine. We see this in the most narcotic perspective of white flowers, but without focus on their sweet or fruity sides. The smell of them mix with a mist of wood tones, frankincense, moss and honeyed resins that form the final phase of the perfume on the skin.