Pesquisar este blog

20 de jun de 2016

Mahogany Pétales de Roses Blanches e English Rose - Avaliações



Uma coisa que me chama a atenção na linha de perfumaria feminina da Mahogany é a quantidade fora do convencional de perfumes femininos com conceito na rainha das flores, a Rosa. Acho intrigante isso visto que soliflores não são algo tipicamente explorados em terras tupiniquins e que a rosa é uma flor que mesmo tendo caído nas gostos contemporâneos ainda carrega em si para muitos um aspecto antiquado. É um sinal interessante de que a marca está disposta a ir contra o que é comum e se arriscar com composições que possam ter um aspecto mais clássico nelas.

Uma das que compõe o arsenal de rosas da Mahogany explora conceitualmente um dos tipos mais nobres e puros de Rosa, a Rosa Branca. A princípio esperava que Pétales de Roses Blanches fosse ser um soliflore de rosas, mas esse tipo específico de rosa tem um aspecto mais vintage que a marca equilibrou com um leve toque de peras e um acorde luminoso e floral branco de lírio do vale. Pétales de Roses Blanches soa delicado mas duradouro, começando com uma saída aldeídica limpa e efervescente, mostrando o toque frutal de pera logo em seguida e se transformando em uma harmonia de rosas brancas e suas nuances verdes de aroma e o cheiro de flores brancas limpas e levemente adocicadas do acorde de lírio do vale construído. A base é uma boa surpresa aqui também, mostrando um aroma almiscarado de nuances amadeiradas e de resina que termina a fragrância de uma forma mais seca, quase com uma sugestão fougère.

Já em English Roses eu sinto que houve um certo erro conceitual na nomeação do perfume, que poderia ter muito bem sido chamado de Parisian Roses. Seu aroma remete de uma forma menos saturada e menos sufocante ao aroma das rosas powdery, frutadas e levemente amargas do clássico YSL Paris, uma combinação que parece emergir de sintéticos que fazem o papel das violetas, do cravo da índia e da rosa. Há algo que remete a aroma de bebida aqui e que quase te dá vontade de beber essas rosas. Percebo também novamente o uso de aldeídos para iluminar a ideia, porém eles são menos evidentes que em Pétales de Roses Blanches. A base é bem simples, delicada, basicamente musk com toques de ambar e um quê de madeira. Gera uma certa estranheza pois o perfume começa potente e impactante e termina quase de forma tímida na pele. Ainda sim é um perfume interessante de Rosas com uma pegada mais old-fashion.