Pesquisar este blog

31 de mai de 2016

Oriza L. Legrand Cuir de L'Aigle Russe e Foin Fraîchement Coupé - Fragrance Review


Se há alguma dúvida de que ainda é possível manter uma grife histórica sem deturpar seu passado Oriza L. Legrand junta-se a Parfums Volnay como bons estudos de casos de como isso pode ser feito. A História de Oriza L. Legrand é bem interessante e de certa forma acompanha o mesmo período histórico da Guerlain. Oriza foi uma fornecedora oficial de perfumes da corte de Luis XV e dos reinos da Italia, Inglaterra e Rússia. Foi uma das primeiras a criar perfumes sólidos e foi uma grife reconhecida pelos prêmios e exibições da época. Hoje perfumes de seu catálogo histórico como Cuir de L'Aigle Russe e Foin Fraîchement Coupé revivem sua glória mesmo com as limitações atuais e nos mostram sua importância histórica.

Cuir de L'Aigle Russe faz parte do que pode ser visto como a terceira fase da história de Oriza L. Legrand, o momento onde a marca atingiu o seu maior potencial comercial e internacional. Estamos diante de uma das temáticas que estavam na moda na transição do século XVIII para o XIX, os aromas sofisticados da temática de couro russo, que envolve a combinação de flores, bétula, incenso, madeira e especiarias para produzir algo abstrato e sofisticado. É interessante notar como Cuir de L'Aigle Russe tem uma participação maior de materiais naturais em seu aroma e alguns sintéticos, que começavam a despontar na época. Entre um dos principais percebo na abertura o cheiro brilhante e intenso do aldeídos, usado para trazer leveza ao intenso aroma floral de rosas e gerânio, ambos dando um aroma floral mentolado, um pouco herbáceo até. Percebo a presença de iononas conferindo um leve toque powdery que amacia o cheiro da bétula e os tons animálicos da base. As madeiras, incenso musk e especiarias são usadas como adjuvantes para dar corpo e maciez ao acorde floral de couro. De certa forma, ele me remete a uma versão com mais rosas e menos bétula do Chanel Cuir de Russie,

Foin Fraîchement Coupé também evidência, em meio aos aromas naturais, moléculas e estruturas olfativas que estavam em plena exploração na época. Para mim, seu aroma é um interessante híbrido, um misto de um oriental especiado com um fougére clássico. Percebo que coumarina e heliotropina atuam juntas para criar a sensação de feno novo ceifado, principalmente o aspecto gramíneo e doce da coumarina ajuda a criar essa sensação. O aroma é completado com nuances de limão e lavanda, que levam o perfume numa direção, a princípio, mais fougere. Porém, a presença de uma base de musk, baunilha e toques de especiarias se combinam com o aspecto de feno fresco e passam uma sensação amendoada powdery, algo que imediatamente me remete a uma versão mais luminosa do clássico Guerlain L'Heure Bleue. A combinação de ambas as influências, fougére e oriental abstrata, gera algo que para mim é bem distinto, sofisticado e atemporal.

English:
If there is any doubt that it is still possible to maintain a historical brand without misrepresenting its past Oriza L. Legrand joins Parfums Volnay as good case studies of how this can be done. The Story of Oriza L. Legrand is very interesting and in some ways follows the same historical period of Guerlain. Oryza was an official supplier of the court of Louis XV and scents of the kingdoms of Italy, England and Russia. It was one of the first to create solid perfumes and was a brand recognized by awards and exhibitions of the time. Today its historical catalog of perfumes like  Cuir de L'Aigle Russe and Fraichement Foin Coupé relive its glory even with the current limitations and show us their historical significance.

Cuir de L'Aigle Russe is part of what can be seen as the third phase of the history of Oriza L. Legrand, the moment the brand reached its largest commercial and international potential. We are facing one of the trends that were in fashion in the transition from the eighteenth to the nineteenth centuries, the sophisticated aroma of Cuir de Russie theme, which involves the combination of flowers, birch, incense, wood and spices to produce something abstract and sophisticated. Interestingly Cuir de L'Aigle Russehas a higher share of natural materials in its aroma and some synthetic, that began to emerge at the time. Among one of the main you can notice in the opening the bright and intense smell of aldehydes used to bring lightness to intense floral aroma of roses and geraniums, both giving a minty floral, slightly herbaceous aroma. I notice the presence of ionones giving a light touch that softens the powdery scent of birch and the animalic tones of the base. The woods, musk incense and spices are used as adjuvants to give body and softness to the floral leather accord. In a way, it brings me to a version with more roses and less birch of the idea worked in Chanel Cuir de Russie,

Foin Fraichement Coupé also evidence amid the natural essences, molecules and olfactory structures that were in full use at the time. For me, its aroma is an interesting hybrid, a mix of oriental spicy with a classic Fougere. I realize that coumarin and heliotropin work together to create the feeling of new mown hay, with mainly the grassy and sweet aspect of coumarin helping to create this feeling. The aroma is completed with lemon nuances and lavender, which carry the scent in a direction, at first, more fougere. However, the presence of a base of musk, vanilla and hints of spice combine with the appearance of fresh hay and pass a sense of almond powdery, something that immediately brings me to a brighter version of the classic Guerlain L'Heure Bleue. The combination of both influences, Fougere and abstract oriental, creates something that for me is very distinctive, sophisticated and timeless.