Pesquisar este blog

11 de abr de 2016

Tom Ford Jasmine Rouge - Fragrance Review


Português (scroll down for english version): não é a toa que flores como a rosa e o jasmim se mantém populares ao longo das décadas na perfumaria, entrando e saindo de moda em novas roupagens/combinações. Flores conhecidas do público, demonstram sua versatilidade em temáticas distintas e se mostram capazes de serem associadas com diversos conceitos. Harmonizam bem com diferentes notas e mesmo em quantias pequenas conferem um equilíbrio ao resultado final. E por terem sido bem exploradas, são flores que o perfumista é capaz de reconstruir sem muitas dificuldades (dado que se tenha os componentes e orçamentos certos para isso).

Jasmin Rouge é uma bela reflexão sobre o aroma do agradável e mais versátil Jasmin Sambac. Apesar de a variedade Grandiflorum ser considerada mais nobre, eu particularmente sou apaixonado pelo perfil do Sambac, que se mostra juvenil e maduro ao mesmo tempo. Devido a restrições alergênicas em alguns dos componentes do jasmim e devido a variações nas safras ao longo do tempo não se pode fazer comercialmente um perfume com overdose de jasmim sambac natural. Mas a forma como os elementos são orquestrados em Jasmim Rouge só permitiriam ao nariz treinado ou fanático pela flor reconhecer a diferença mais profunda.

Jasmin Rouge  abre para mim com o lado mais frutado da flor, que possui de fundo nuances levemente ardidas e cítricas meio amargas. Isso faz sentido em um perfil de jasmim sambac, que possui elementos em comum com o aroma da flor de laranjeira. O lado floral branco e mais narcótico aparece em seguida, porém é possível perceber nele um aroma macio, um floral limpo que o equilibra sem roubar a cena. E em todo tempo se observa uma bela base sutilmente amadeirada, com um cheiro que remete a lascas de madeira chique ao mesmo tempo que sugere de longe um toque cosmético chique. Esse é um belo trabalho de homenagem a uma flor muito amada e utilizada, um que mostra complexidade, harmonia e excelente duração.

English:

It is not for nothing that flowers like rose and jasmine remains popular over the decades in perfumery, going in and out of fashion in new dressings/combinations. Flowers widely known, they demonstrate their versatility in different themes and show themselves capable of being associated with various concepts. They harmonize well with different grades and even small amounts give a balance to the final result. And because they have been well explored, those are flowers that the perfumer is able to rebuild without many difficulties (since he or she has the components and some budget for this).

Jasmin Rouge is a beautiful reflection on the aroma of the pleasant and versatile Jasmin Sambac. Despite the grandiflorum variety being considered nobler, I'm particularly fond of the Sambac profile, which shows youth and mature at the same time. Because of allergenic restrictions in some of the jasmine components and due to changes in yields over time you can not make a commercial perfume with an overdose of natural jasmine sambac. But the way the elements are orchestrated in Jasmine Rouge would only allow the trainde nose or fanatic by the flower recognize the deepest difference.


Jasmin Rouge opens for me with the fruitier side of the flower, which has background of slightly burnt and moder bitter citrus nuances. This makes sense in a sambac jasmine profile, which has elements in common with the scent of orange blossom. The white floral side and more narcotic then appears, but you can see a soft aroma, a clean floral that balances without stealing the scene. And all the time we observe a beautiful subtly woody base, with a smell that brings to mind chic wood chips while suggests distantly a chic cosmetic touch. This is a nice tribute to a flower much loved and used, one that shows complexity, harmony and excellent duration.