Pesquisar este blog

9 de fev de 2016

Santi Burgas LÔROSE e LÔANT - Avaliações


Sempre que eu vejo uma coleção de perfumes que podem ser combinados entre si, uma preocupação me vem imediatamente em mente: "serão os perfumes realmente bons para serem usados isoladamente?" Algumas criações, em especial as de Jo Malone, me parecem pouco trabalhadas e simples e é como se a marca tentasse te fazer gastar comprando vários perfumes para que assim eles formem algo mais complexo e duradouro.

Se eu tinha essas preocupações com os perfumes de Santi Burgas, após o segundo dia de testes consigo perceber que não é o caso. Santiago me passa a impressão de que se preocupou com o conceito como um todo e com as suas partes. Cada fragrância basta em si própria, mesmo com a ênfase em determinados momentos da composição. E ainda com essa ênfase percebo que elas não se comportam de forma exatamente igual na pele.

É como se o perfumista tivesse pensado em diferentes níveis de profundidade nessa mensagem. Há uma hierarquia para mim nas mensagens de topo, algo que só enxerguei hoje ao usar LÔROSE na pele. LÔBITT forma a parte superior dessa hierarquia, sendo composto de elementos cítricos bem voláteis. LÔJAZZ é o integrante intermediário, tendo um suporte maior das iononas e durando mais devido a chuva de flores brancas. E LÔROSE é a parte mais profunda entre os 3 membros.

O Nome é preciso e aqui estamos diante de uma composição que passa uma mensagem de nobreza e luxo para a rainha das flores, a rosa. LÔROSE me faz pensar em rosas árabes, das que costumam ser combinadas com agarwood e açafrão em vários perfumes modernos. São rosas ricas no aroma, frutadas, um pouco mentoladas talvez e com bastante ênfase no aspecto de licor. É possível perceber o cheiro do gerânio intensificando o aroma da rosa e conferindo um aspecto mais verde, uma citação quase que fougére ao aroma bem oriental da composição. O patchouli harmoniza perfeitamente com a rosa e o gerânio, conferindo um aspecto de chocolate amargo e um levê que terroso. Há algum material de fundo que também me faz pensar em couro e um segundo tipo de rosa que só aparece depois de algumas horas na pele, uma rosa mais atalcada, que se mistura com o cheiro frutado do jasmim. É interessante notar que LÔROSE parece ter pontos de contato no cheiro com LÔJAZZ, que por sua vez se relaciona com o LÔBITT pelo aroma do néroli.

Saindo dos integrantes da camada inicial da comunicação, LÔANT é o ponto central da composição, o perfume que se liga tanto a camada mais inicial quanto a camada mais profunda do sistema proposto por Santiago. E pelo aroma desenvolvido, eu diria que LÔANT funciona bem como um aroma que fixa e exalta outros aromas, certamente outros também fora dos perfumes da marca. Seu cheiro para mim é dominado pelo aroma lustroso, macio e levemente amadeirado do ambroxan. Ele é envolto em musks macios e leve nuances picantes de noz moscada, mas é a estrela da composição aqui. Isso dá a LÔANT uma aura que sozinha soa bem brilhante, abstrata e leve, porém com potência para durar sozinha o dia inteiro. É um cheiro bem agradável, fácil e que funciona perfeitamente como ligação. Creio que um dos membros da coleção que irá se beneficiar mais de suas propriedades de fixação é LÔBITT - combinação que eu pretendo testar no final da minha semana de avaliações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here