Pesquisar este blog

19 de jan de 2016

La Via Del Profumo Milano Caffé, Chilum, Feromone Homme e Maya - Avaliações


No mundo da perfumaria, nem sempre o frasco mais lindo e o nome mais estimado contém o aroma mais precioso e rico. Espalhados por esse mundo afora existem jóias a serem descobertas, perfumes e marcas das quais poucos falam e que você acaba se deparando sem querer em um fórum ou base de dados de fragrâncias. Minha experiência com a La Via Del Profumo foi assim, por acaso a alguns anos atrás. E toda vez que eu volto para usar algum dos perfumes dessa marca italiana me sinto surpreendido como se fosse a primeira vez.

O tipo de perfume que Dominique Durbrana cria é um dos mais difíceis que tem no mundo da perfumaria: fragrâncias 100% naturais. É possível listar 3 fatores que explicam essa dificuldade. O primeiro deles é o estranhamento inicial que temos, considerando que por questões de otimização de custo e padronização de produção boa parte da perfumaria comercial e até mesmo de nicho é sintética. Segundo, um perfume natural a princípio assusta um nariz não preparado para intensidade de sensações que ele pode trazer. Por último, compor criações naturais que durem na pele e ainda por cima garantido a estabilidade e riqueza dos absolutos e óleos essenciais utilizados não é uma tarefa fácil. Que um especialista como o Dominique seja capaz de fazer isso e ainda oferecer por um preço justo é algo que raramente se vê na perfumaria. E por isso, que vale a pena ser investigado como uma série de avaliações como a que começo hoje.


Milano Caffé: eu destacaria que das composições oferecidas pela La Via Del Profumo essa é uma das mais amigáveis ao público masculino e uma das que mais agradam logo de cara. A ideia de capturar a mistura da cultura árabe com a árabe na temática de uma cafeteria produz um aroma que combina o aroma seco, pungente e torrado do café com o cheiro de especiarias mais secas, o aroma de resinas, um leve aspecto de baunilha, a cremosidade do chocolate e um excelente aroma amadeirado de vetiver. Esse é um perfume que brinca com as texturas do dark e cremoso, do doce e do seco, do brilhante negro e do amadeirado aconchegante.  É maravilhoso.

Chilum: Chilum é um exemplo interessante de como manter a simplicidade na formulação de uma composição sem comprometer a harmonia e riqueza no aroma. Isso é possível quando se combina essências complexas e ricas em nuances e nesse caso temos o uso de sândalo indiano, gengibre e tabaco, com o nome fazendo referência a uma espécie da cachimbo indiano. O sândalo indiano utilizado nessa composição é um dos mais nobres existentes e algo que você dificilmente encontra a venda em um perfume. Isso dá a criação uma textura amadeirada única, algo seco, levemente salgado, com nuances de incenso e tons lactônicos. O gengibre confere um ar fresco e picante na saída enquanto o absoluto de tabaco contribui com a parte mais esfumaçada e negra da ideia. É um perfume nobre e harmonioso,

Feromone Homme - a escolha do nome se deve a criação de uma composição que utiliza essências animais de castoreum e ambergris como uma parte principal. As duas são conhecidas no reino animal por terem papéis na reprodução das espécies e são aromas que caíram em desuso na perfumaria, tanto pela questão ética como pelo preço. Os utilizados aqui são obtidos de forma a não agredir os animais (a baleia cachalote e o castor) e são complementados pelo perfil amadeirado e sisudo do sândalo e do musgo de carvalho. É uma das composições que no momento inicial assusta - o aroma do castóreum contribue com algo esfumaçado, negro e que remete a tinta e o ambergris dá um cheiro beirando o fecal. Passado esse ponto, é possível perceber o tom salino da segunda e o aroma de couro da primeira se misturando com o cheiro seco do sândalo, numa variedade que remete a cedro, e o aroma terroso do musgo. Feromone termina num aroma segunda pele muito confortável e que retem o aspecto de couro, musk e madeira.

Maya: conhecido pela marca como um "banho em chocolate", Maya é um ode as essências de cacau e baunilha mas não é um aroma gourmand açúcarado e enjoativo. Sua composição me remete ao cheiro espesso de uma chicara de chocolate amargo cremoso e também a um cheiro de cravo, canela, mel e tabacco. O cheiro é doce, picante, algo que lembra fumo, chá quente e chocolate. De certa forma segue uma dinâmica que as vezes remete ao Tom Ford Tobacco Vanille na pele, entretanto menos carregado no mel e mais suave no final da evolução.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here