Pesquisar este blog

29 de nov de 2015

Boticário Egeo Seduza e Elysée - Avaliações


Numa estratégia fora do que a marca costuma fazer em datas especiais, no dia dos namorados o Boticário lançou 7 fragrâncias em vez de apenas 2. Isso certamente cria mais opções ao consumidor ao mesmo tempo que garante uma coleção onde teremos perfumes medíocres preenchendo espaço e perfumes bem feitos chamando a atenção. Seduza certamente foi um dos que se destacou nessa temporada, oferecendo um aroma que transita entre a família olfativa gourmand e a família olfativa chypre moderna. Em Seduza é possível perceber um aroma de frutas vermelhas, algo que me lembra diretamente o cheiro de doce de morango. De fundo, há um aroma de baunilha e algo de patchouli e que cria a sensação simultânea de cheiro de couro e de chocolate. O patchouli aqui serve também para com o aroma dos musks dar a sensação de um chypre moderno. Essa sensação se complementa pela dominância da rosa no coração, uma interpretação sedosa e levemente frutada da flor. Apesar de ter sido edição limitada, é um que a marca poderia incorporar como permanente em seu catálogo.


Elysée é para mim de certa forma intrigante, não por seu aroma ser original mas pela capacidade mutante de remeter a diversos perfumes sem nunca parecer exatamente com eles o tempo todo. É como se disfarçado de inspiração estivesse uma espécie de chypre moderno camaleônico que dá sensações diferentes em dias diferentes para mim. Na fita, certamente percebo a semelhança com outros chypres moderno, em especial com 3: Cartier La Panthere, Narciso Rodriguez e Guerlain Idylle. Na amostra, há algo do aroma das rosas, musk e patchouli do egeo seduza, avaliado anteriormente acima. No caso das 3 primeiras semelhanças, o resultado é positivo, visto que são perfumes mais caros e elysee se torna uma opção acessível. Na última, isso pode ser decepcionante, já que seduza é mais barato e tão eficiente quanto. Porém, aqui cabe um comentário: o que caracteriza um chypre moderno é justamente uma combinação de elementos de musk, flores sedosas, cítricos e frutas que acabam sendo usados de formas parecidas e tornam os integrantes dessa família como belas mulheres quase iguais, que se discerne pelos detalhes de sua maquiagem. E é nos detalhes que está a identidade do Elysée, talvez com um pouco mais de rosas que o Narciso Rodriguez mas não a mesma quantia que o idylle, com um toque frutal similar ao La Panthere entretanto sem a mesma nuance de gardênia; com uma combinação de rosa, musk e patchouli que remete ao egeo seduza, porém sem toques gourmands e com musks diferentes. Sua vida como perfume basicamente vive e morre pelas semelhanças e diferenças com os perfumes que ele canaliza dentro de si.