Pesquisar este blog

5 de out de 2015

Ormonde Jayne Black Gold Fragrance Review



Português (scroll down for the english version): quando você pega birra de uma determinada marca, fica difícil vê-la com os mesmos olhos de anteriormente e você acaba se tornando cético quanto ao que é contado por ela. É como eu me sinto com relação a Ormonde Jayne, ciente de problemas relacionados a produção de Black Gold que a marca em vez de resolver mantém-se em silêncio. Vender perfumes com frascos que contém menos do que deveriam conter não me parece uma prática alinhada com qualidade e luxo verdadeiro, muito menos a propaganda da busca por óleos especiais raramente utilizados na perfumaria mas que são usados mais para marketing do que para diferencial estético.

Tirando essa máscara de pseudo luxo e besteirol do sândalo de 20 anos que é divulgado para tentar criar uma aura mais exclusiva, Black Gold certamente tem um simples motivo para ser caro: público da Harrods. Ainda que ele convença como luxuoso, para mim está no limite entre um extrato e um edp e o uso dessa concentração me parece um pouco oportunista para justificar o preço.

E ainda que o Sândalo seja o fio condutor do blá-blá-blá falso da marca, Black Gold é uma elegante  composição porém polida demais, amadeirada com tons de incenso, madeiras mais animálicas, pimentas e um belo aroma floral sutil de flor de cravo. Há um uso interessante do acorde cítrico aqui, que acaba ressaltando o lado cítrico que remete a bebidas. O aroma da pimenta é picante, ardido e um pouco incensado, e se mistura bem com os cítricos e com um leve toque de agarwood e com o floral discreto que me parece girar ao redor do aroma da flor de cravo. Para uma base com tão nobre material, se esperaria algo mais impactante, entretanto se há de fato algum sândalo raro e precioso ou ele é usado em quantias pequenas ou se perde nas nuances de cedro e musgo, o que me parece um desperdício de matéria-prima rara.

A minha maior implicância com Black Gold é que lhe falta um conceito. Qual é o seu motivo de existência além de vender uma história falsa para conquistar clientes com dinheiro e conquistá-los com uma pseudo-concentração luxuosa? Eu não vejo nenhum. Talvez durante a jornada de 'amor' (aos negócios, certamente), a marca tenha se perdido na loucura de procurar a melhor qualidade possível de sândalo. É uma boa prova, se de fato houver dentro do perfume o que eles dizem ter, de que nem sempre matérias-primas excepcionais produzem perfumes excepcionais. Para finalizar, em resumo, Black Gold é um Idole de Lubin metido com mais notas picantes e um coração mais complexa. Vale 420 libras? É subjetivo, mas na minha opinião pessoal, não (ainda mais considerando que não vem 120ml de perfume no frasco como a marca divulga).

English:

When you take tantrum of a particular brand, it is difficult to see it with the same eyes earlier and you end up becoming skeptical as to what is counted for it. It's how I feel about the Ormonde Jayne, aware of problems related to production Black Gold that the brand instead of solving remains silent. Sell ​​perfume with bottles containing less than they should contain not seem an aligned practice with quality and true luxury, much less for special oils search advertising rarely used in perfumery but are used more for marketing than for aesthetic differential.

Taking this mask of pseudo luxury and 20 years sandalwood nonsense that is disclosed to try to create a more exclusive aura, Black Gold certainly has a simple reason to be expensive: the Harrods public. Though it convinces as luxurious for me is at the boundary between an extract and EDP and the use of this concentration seems a bit opportunistic to justify the price.

And although the Sandalwood is the thread of false blah-blah-blah the brand releases, Black Gold is an elegant but too polished composition with incense woody tones, more animalic woods, peppers and a nice subtle floral aroma of clove flower. There is an interesting use of citric chord here, just pointing out that the citric side which refers to drinks. The pepper aroma is spicy, smoky and a little incensed, and mixes well with citrus and a touch of agarwood and the discreet floral what seems to me to turn around the carnation flower aroma. For a base with noble material, one would expect something more impressive, however if there is indeed a rare and precious sandalwood or it is used in small amounts or is lost in the nuances of cedar and moss, which seems to me a waste of rare raw material


My biggest pet peeve with Black Gold is that it lacks a concept. What is your existence reason than to sell a false story to win customers with money and win them over with a luxurious pseudo-concentration? I do not see any. Perhaps during the journey of 'love' (in business, of course), the brand has been lost in the madness of seeking the best possible quality of sandalwood. It is a good proof, if indeed there is in perfume what they say they have, that not always exceptional raw materials produce exceptional perfumes. Finally, in short, Black Gold is a Idole de Lubin involved with more spicy notes and a more complex heart. Is it worth of 420 pounds? It is subjective, but in my personal opinion, not (especially considering that does not come in 120ml perfume bottle as the brand disclose).