Pesquisar este blog

6 de out de 2015

Etat Libre d'Orange True Lust Fragrance Review


Português (scroll down for english version): eu diria que a ELdO é uma casa de perfumaria interessante para ser estudada do ponto de vista da administração do processo criativo ao longo dos anos. Certamente no início de sua existência ela foi bem mais provocativa na sua abordagem visual, conceitual e olfativa, numa tentativa importante de se firmar como uma marca diferente, de certa forma rebelde. O fato é que isso tem um limite de crescimento e expansão, e de alguma forma você ao longo do tempo se vê obrigado a evoluir a abordagem para não ficar travado no tempo. Minha impressão é que a maneira encontrada para se fazer isso foi a mais clássica e explorada, manter os elementos mais provocativos, mesmo que atenuados, no conceito e amenizar o fator choque no aroma.

Ainda sim, não se pode dizer que não há idéias rebeldes dentro do processo criativo da marca e uma prova disso é True Lust. É comum que você veja casos onde um perfume deriva uma inspiração ou modernização de outro. Também é possível encontrar ocorrências de coleções lançadas para que se use de forma combinada, com um perfume complementando o outro. Agora, criar uma nova composição que é lançada explicitamente como uma mistura de dois outros, é algo inédito para mim.

O Que seria a verdadeira luxúria que o perfume alude? Na minha visão, é a combinação do aroma clássico e sensual do Putain des Palaces com a aura mais intimista e redonda de Dangerous Cumplicity. Ainda sim, essa não é uma luxúria explícita, pornográfica, extremamente carnal, ela me parece mais um momento de intimidade dentro de um casamento talvez.

O subtítulo olhar de raios violetas me parece certamente relacionado ao que tem mais ênfase na composição, um acorde bem clássico dessas flores, remetendo àquele cheiro de um aroma abstrato de violetas que fica entre o aroma de talco e o cheiro de balas adocicadas de violeta. Isso é complementado pelo aroma doce e alcoólico do rum e pelas nuances mais delicadas e florais de jasmim, lírio e osmanthus. A base da criação é o momento menos interessante para mim, evoluindo para uma mistura de madeiras e musks picantes que me lembra bastante bases de outros perfumes comerciais. O couro certamente me parece menos evidente na mistura das duas composições, o que perde parte da aura mais controversa do Putain.

Certamente eu sinto falta do aspecto mais impactante dos ELdO mais antigos, entretanto o refinamento que uma composição como essa possui acaba compensando isso. Talvez a verdadeira luxúria esteja na cumplicidade com um tom erótico discreto? Ou seria essa uma ironia voltada aos perfumes comerciais que prometem sexo no marketing e nunca o entregam? Por debaixo da agradável composição fica aberto essas e outras possíveis leituras que o consumidor pode fazer enquanto o usa.

English:

I would say the ELdo is an interesting fragrance house to be studied from the point of view of the management of the creative process over the years. Certainly at the beginning of its existence it was even more provocative in its visual, conceptual and olfactory approach, an important attempt to establish itself as a different brand, in a rebellious way. This has a growth limit and expansion, and somehow you over time is forced to evolve the approach to not to get caught in time. My impression is that the way found to do this was the most classic and exploited: retain the most provocative elements, even if attenuated, in concept and soften the shock factor in the aroma.

Still, one can not say that there is lack of rebellious ideas in the creative process of the brand and a proof is True Lust. It is common that you see cases where a perfume derives inspiration or modernization of another. You can also find occurrences of collections launched to that used in combination with a perfume complementing the other. Now, create a new composition that is explicitly cast as a mixture of two others, it is a first for me.

What would be the real lust perfume alludes? In my view, it is the combination of classic and sensual aroma of Putain des Palaces with the most intimate and round aura of Dangerous Cumplicity. Still, this is not an explicit lust, pornographic, extremely carnal, it seems to me a moment of intimacy within a marriage maybe.

The subtitle violet rays eyes seem certainly related to what is more emphasized on the composition, a classic well build of these flowers, reminding you that smell of an abstract aroma of violets which lies between the talcum smell and the smell of violet sweetened bullets. This is complemented by the sweet and alcoholic aroma of rum and the most delicate and floral nuances of jasmine, lily and osmanthus. The basis of creation is the least interesting moment for me, evolving into a blend of spicy woods and musks that reminds me a lot of bases other commercial perfumes. Leather certainly seems less evident in the mixture of the two compositions, which loses some of the most controversial aura of Putain.

Certainly I miss the most striking aspect of older Eldo, though the refinement that has a composition like that ends up making up for that. Perhaps the real luxury is in complicity with a discreet erotic tone? Or was this an irony geared to commercial perfumes that promise sex in marketing and never deliver? Underneath the nice composition is open these and other possible readings that consumers can do while wearing it.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here