Pesquisar este blog

27 de out de 2015

Dior Eau Sauvage Parfum - Fragrance Review


Português: Eau Sauvage Parfum não é apenas uma concentração Eau de Parfum de um dos maiores clássicos da perfumaria masculina. Seu aroma é praticamente como uma homenagem ou reorquestração dos elementos de uma das obras-primas do mestre Edmond Roudnitska. O original, afinal, foi inovador ao trazer elementos florais e a radiância abstrata de jasmim do Hedione para um aroma cítrico, herbal e amadeirado, conferindo uma sensualidade fresca e elegante que é apreciada até hoje.

Nesse processo de reinvenção a impressão que me passa é que Francois Demachy tinha basicamente 3 objetivos no desenvolvimento. O primeiro deles era manter elementos capazes de fazer a ligação entre o clássico e sua homenagem concentrada. O segundo seria aliar uma evolução capaz de ser mais simples, porém sem perder os detalhes ( veja que apenas 3 notas principais são divulgadas). E a terceira certamente seria incorporar de forma mais evidente aromas amadeirados e adocicados na composição.

Todos os 3 aspectos são atingidos perfeitamente e Eau Sauvage parfum é minimalista em seus detalhes, porém rico nas pequenas nuances secundárias e capaz de manter a sugestão floral sutil e o aroma cítrico e aromático do original. Eu acho interessante que nesse processo de reinvenção de Eau Sauvage Demachy tenha encontrado um espaço para fazer um link com uma das criações exclusivas da Dior, o exótico Eau Noire. Aqui, incorpora-se a lavanda doce e com nuances de caramelo do Eau Noire sem os aspectos mais exóticos. A ela, é inserido o cítrico mais azedinho do limão e da bergamota e um tom herbal secundário, conferindo o link com o original. O Vetiver trás o aspecto amadeirado mais seco porém sem nuances defumadas, parecendo um vetiver mais moderno e ainda muito bom. E por fim, temos um aroma doce e levemente resinoso no que parece ser uma combinação da mirra com nuances de baunilha e, suponho eu, sândalo.

A única coisa que nunca ficou claro nessa versão foi o nome, que passa uma falsa sensação de que esse é um perfume na concentração extrato e que na verdade é uma eau de parfum, listada desse jeito no site da marca. Tirando esse aspecto, a reorquestração cumpre seu propósito ao apresentar uma silhueta clássica e conhecida em uma nova roupagem e para um novo público.

English:

Eau Sauvage Parfum is not just an Eau de Parfum concentration of one of the greatest classics of men's perfumes. Its aroma is almost like a tribute or rearrangement of the elements of one of the masterpieces of Edmond Roudnitska . The original, after all, was innovative in bringing floral elements and jasmine abstract radiance of Hedione for a citrus, herbal and woody aroma, giving a fresh and elegant sensuality that is appreciated today.

This reinvention process passes me the impression that Francois Demachy basically had three goals in its development. The first was to maintain elements able to make the connection between the classical and the concentrated homage. The second is being  able to combine a trend to be simpler, but without losing detail (see that only 3 main notes are disclosed). And the third would certainly incorporate more clearly a woody and sweet-smelling aromas in the composition.

All three aspects are met perfectly and Eau Sauvage Parfum is minimalist in its details, but rich in small secondary nuances and able to maintain the subtle suggestion of floral and citric aroma of the original. I find it interesting that in this process of reinvention of Eau Sauvage Demachy has found a space to link it with one of the Collection Exclusive, the exotic Eau Noire. Here, he incorporated into the blend the sweet and caramel lavender nuances of the Eau Noire without the more exotic aspects. To it, the bittersweet citrus  lemon and bergamot and a secondary herbal tone is inserted, providing the link to the original. The Vetiver brings the drier woody aura but without any smoky nuances, seing like a more modern and still very good vetiver. Finally, we have a sweet and slightly resinous aroma in what appears to be a combination of myrrh with vanilla nuances and, i suppose, sandalwood.


The only thing that was never clear in this version was the name, passing a false sense that this is a perfume extract in concentration and that is actually a eau de parfum, listed that way in the brand site. Taking this aspect, the redesign fulfills its purpose by presenting a classic silhouette and known in a new look and to a new audience.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here