Pesquisar este blog

21 de out de 2015

Charme Essência Instinto e Romeu - Avaliações





















Uma coisa que já me chamou a atenção como uma característica inerente a marca de nicho Charme Essência, além da qualidade e preço acessível, é o contraste entre familiaridade versus singularidade. Certamente é algo que exige competência técnica e artística para ser executado, visto que excesso de familiaridade passa a impressão de falta de identidade e excesso de singularidade pode levar a criações que sozinhas são interessantes mas que juntas também não criam identidade. Certamente alguns dos perfumes criados pelo Fabiano tem a familiaridade bem evidente, mas ao optar por seguir sua visão e suas predileções o resultado surpreende e certamente brilha mais na pele.

Em nenhum outro isso é mais evidente para mim do que em Instinto, um perfume que eu estava receoso de usar no calor pela sua aura claramente animalico já no aroma dentro do frasco. O cheiro em si reflete o conceito - marcante, animálico e claramente sexual. Há a princípio uma aura que reflete o estilo animálico do fougere almiscarado do clássico ame ou odeie da YSL, Kouros. Mas aí é que entra a singularidade, onde a ideia é adaptada para manter o suficiente da aura marcante ao mesmo tempo que dá mais ênfase nos elementos herbais amargos. É interessante a forma como as flores são exploradas, utilizando-as em proporções onde seus cheiros combinam-se tanto com o aroma mais animálico e seco como com o frescor das folhas. Conforme o tempo passa, Instinto acalma e revela um lado ambarado e amadeirado que me remete distantemente a algumas nuances utilizadas em criações onde se deseja usar um acorde de agarwood no perfume. Certamente em Instinto vejo um homem consciente de sua sensualidade mas no controle dela.

Romeu tem com menor clareza a familiaridade com um perfume específico e mais com um estilo de época, um cítrico de aromas florais secos e com um quê fougere criado pelo gerânio. A rosa aqui é bem interessante e parece me passar uma sensação secundária que eu não sei definir bem se remete a jasmim ou a neroli. É como se flores secas tivessem sido utilizadas com ervas maceradas e cítricos não doces, em uma base onde há musgo, madeiras e um toque animálico de almiscar. Vejo um interconexão com o estilo desenvolvido de cítrico herbal clássico desenvolvido em Fator Top, mas ainda sim há algo mais romântico e de época em Romeu. De forma distante, novamente temos um aroma de ambar e um pouco de especiarias talvez, elementos que fazem uma ligação mais abstrata entre os diversos perfumes da Charme Essência.

Muito me agrada o fato de que ambos os perfumes entregam justamente o que seus conceitos prometem e possuem aquela capacidade de não serem nem exageradamente fortes nem muito suaves. São criações adoráveis, sólidas e um prato cheio para os saudosistas de determinados estilos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here