Pesquisar este blog

27 de out de 2015

Caron Pois de Senteur (Sweet Pea) - Fragrance Review



Português (scroll down for english version): uma das principais dificuldades que eu vejo quanto a avaliar um perfume da histórica maison francesa Caron é justamente as constantes reformulações que suas criações passaram durante os anos. É fato conhecido por apaixonados por seus perfumes vintages que vários deles perderam a harmonia e riqueza de detalhes entre as versões. Não consigo, entretanto, compartilhar dessa visão, principalmente nos extratos. Talvez ao não conhecer os originais o que eu tenho em mãos consegue me agradar o suficiente e ter uma ligação com o nome e a abstração da ideia original.

Pois de Senteur deixa pouco espaço para interpretações quanto ao seu cheiro e é um dos poucos existentes que centra sua temática no aroma da ervilha de cheiro. Pelo que descobri pesquisando, são flores ornamentais populares pelo seu rico aroma e sua diversificada coloração. Apesar de muito perfumadas, não há produção comercial de óleos essenciais ou absolutos de suas flores. O cheiro é descrito na literatura especializada como relacionado ao cheiro doce e floral fresco da frésia com uma mistura de nuances de rosa, jacinto e flor de laranjeira, algo quase balsâmico e remetendo a mel.

Sem conhecer o aroma da flor em si, eu consigo enxergar a abstração conceitual construída em Pois de Senteur, que cobre todas essas bases em seu cheiro. As nuances que remetem a mel podem ser observadas no primeiro momento do perfume, que abre com um aroma amarelo de pólen e mimosa. Esse se mistura, num primeiro momento, com tons aldeídicos florais que conferem a fragrância um toque retrô. É possível perceber toques de um floral mais cítrico e amargo de laranjeira, as nuances verdes e de citronela da rosa e o aspecto balsâmico e não metálico que faz a ligação entre o jacinto e a ervilha de cheiro.  É ele que conduz a uma base onde percebe-se um aroma de resinas, baunilha e um toque amendoado girando ao redor de um aroma de couro similar ao trabalhado em En Avion.

Pois de Senteur está de alguma forma ligado a duas outras criações da casa, Farnesiana e o anteriormente mencionado En Avion, possuindo tons florais amarelos do primeiro e a base de couro do segundo. Se seu aroma não é uma reprodução realista da flor, é uma fantasia bem orquestrada na versão testada e na concentração extrato. Resta saber se a grife foi capaz de preservá-lo com essa mesma harmonia no lote mais atual existente.

English:

One of the main problems I see regard evaluating perfumes of the historical French maison Caron is precisely the constant reformulations that their creations have gone over the years. It is well known by the ones passionate about their vintages perfumes that several of them lost their harmony and detail between versions. It can not, however, share that view, especially in the extracts. Perhaps not knowing the originals what I have at hand can please me enough and have a connection with the name and the abstraction of the original idea.

Pois de Senteur leaves little room for interpretation about its smell and is one of the few that focuses its thematic in the sweet pea aroma. From what I found researching, this are ornamental flowers popular for their rich aroma and its diverse coloring. Although very fragrant, there is no commercial production of essential oils or absolutes of their flowers. The smell is described in the literature as related to sweet and fresh floral nuances of freesia with a mixture of rose aspects, hyacinth and orange blossom, something almost balsamic and honeylike.

Without knowing the flower aroma itself, I can see the conceptual abstraction built in Pois de Senteur, which covers all these bases in its smell. The nuances that refer to honey can be observed at the first moments of the scent that opens with a pollen and mimosa aroms. This gets mixed with a floral aldehyde fragrance that gives it a retro touch. I can see hints of a more bitter citrus and floral orange, green and citronella rose nuances and balsamic and non-metallic aspect that connects the hyacinth to sweet pea. This leads to a base where we perceive an odor of resins, vanilla and an almond touch worked around a similar leather aroma used on En Avion.


The fragrance is somehow connected to two other creations of the house, Farnesiana and the aforementioned En Avion, possessing yellow floral tones of the first and the leather base of the second. If the scent is not a realistic reproduction of the flower, it is a well-orchestrated fantasy in the tested version and extract concentration. The question is whether the designer was able to preserve it with the same harmony present in the existing lot at this moment.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here