Pesquisar este blog

16 de ago de 2015

By Kilian Single Malt Fragrance Review


Português (scroll down for english review): numa estratégia que parece inspirada na Le Labo e seus city-exclusives, Single Malt é o terceiro lançamento da Kilian que só pode se encontrado especificamente em uma das lojas, nesse caso no Harrod's Salon de Parfums. Single Malt não foge o que me parece ser uma espécie de regra, a de que se o perfume tem uma abordagem de distribuição e marketing exclusivo e não convencional o aroma final passará longe do exótico ou extraordinário.

Isso não significa entretanto que Single Malt seja ruim, mas para uma criação mais luxuosa e, teoricamente, com um orçamento superior. o resultado deixa a desejar. A reprodução de um das bebidas mais nobres, o uísque, passa longe da complexidade e riqueza de detalhes que poderia ser. Em vez disso, o perfume parece focar no cedro, como se em vez do uísque recebêssemos o aroma dos barris onde ele envelheceu durante o processo. Certamente não me parece cedro natural apenas, há uma certa aura mineral constante que me parece típica de criações com iso e super. Além disso, temos uma nuance de mel na saída, algo como uma versão diluída do acorde denso de tobaco vanille. Isso misturado ao cheiro de ameixas e ao que parece ser um acorde amadeirado simples para o cheiro do trigo.

Single Malt da mesma forma que muitos outros perfumes criados como produtos mais exclusivos me passam uma sensação curiosa, a que de quem os compra como algo acessível certamente não tem ou não está nem aí para a noção do que realmente está pagando pelo perfume em si. É fato que ele tica todos os pontos que deveria - inspiração, toque exótico, notas da moda para agradar - ainda sim passa a sensação de que é simples demais. Se fosse um uísque, eu diria que é uma variação mais barata se passando por uma versão mais nobre e cara.

English:
In a strategy that seems inspired by Le Labo and its city-exclusives, Single Malt is the third release of Kilian that can only specifically found in one of the shops, in this case in Harrod's Salon de Parfums. Single Malt not escape what seems to be a sort of rule that if the perfume has a distribution and marketing approach of exclusive and unconventional the final aroma pass away from exotic or extraordinary.

This does not mean however that Single Malt is bad, but for a more luxurious setting and theoretically, with a higher budget. the result is weak. Reproduction of one of the noblest drinks, whiskey, passes far from the complexity and detail that it might have. Instead, the fragrance appears to focus on cedar, as if instead of whiskey wer receive the aroma of the barrels where it aged during the process. Certainly it does not seem natural cedar only, there is a certain constant mineral aura that seems typical of creations with iso and super. Also, we have a honey nuance in output, something like a watered down version of the dense honey accord in tobaco vanille. This is mixed with the smell of plums and what seems like a simple woody wake up to the smell of wheat.


Single Malt in the same way that many other perfumes created as most exclusive products pass me a curious sensation, that of those who purchase them as something affordable certainly does not have or does not care for the notion of what is actually paying for the scent itself. It is true that he ticks all the points that should - inspiration, exotic touch, fashion notes to please - but still gives the sensation that it is too simple. If it were a whiskey, I'd say it's a cheaper variation is undergoing a more noble and expensive version.