Pesquisar este blog

19 de jul de 2015

Francesca Dell'Oro Page 29 e Francine Fragrance Review



















Português (scroll down for english version): cada jornada dentro de uma linha nova é um mistério para mim, uma aventura que eu nunca sei exatamente se será boa ou ruim. Nos últimos tempos creio que tenho tido sorte com boas aventuras. Uma das coisas que me dá mais felicidade é encontrar linhas sólidas de perfumes, onde você vê uma boa combinação entre apresentação, preço e aroma. Comparado a corrida pelo perfume de luxo mais caro, eu diria que as criações da Francesca Dell'Oro possuem um excelente preço pelo que oferecem. É uma linha pensada para ser boa mesmo quando oferece um conceito mais fácil de agradar ao consumidor. É como se cada jóia dessa coleção tivesse um momento diferente de uso, mas em nenhum deles sem abrir mão do bom gosto e da preferência pessoal de Francesca pela Luminosidade.

Dentro dessa coleção, Page 29 preenche a lacuna do perfume mais adocicado. Pelo menos a princípio, quando você observa as primeiras notas de seu aroma na pele. É assertivo a descrição do marketing de Page 29, que diz que ele, como a página de um diário, contém várias sugestões. É como se fosse uma coleção de memórias conduzidas pelo aroma meio ceroso da memória de uma flor branca que muito me remete a jasmim. Na saída, ele apresenta uma doçura cítrica açucarada que chega a ser bem espessa, entretanto é uma doçura diferente, já com uma aura amadeirada. Num segundo, ele ganha um aroma floral com nuances de resinas e algo que sugere cheiro de couro. E por fim, termina num belo aroma amadeirado, rico em vetiver, com nuances de iris. É o mais complexo de todos os Francesca, uma memória olfativa vivida, intensa, talvez intensa demais para alguns.

Já Francine é o mais leve de toda a coleção, uma homenagem a um dos clássicos no estilo aromático herbal da perfumaria, o excelente Vent Vert de Balmain. Ele revisita a estrutura do aroma de gálbano, diminuindo sua intensidade e colocando-o sob a perspectiva de um aroma mais cítrico e mentolado. O efeito do musk e das madeiras também é aumentado, e eles se misturam bem aos traços herbais e levemente amargos de gálbano, uma nota de saída com poder de duração até a base. Há algo em Francine que soa chique, compartilhável, leve, um aroma primaveril de muito bom gosto e uma modernização não banal da idéia de Vent Vert. Finalizo minha jornada com o desejo de que essa coleção continue a ser expandida sempre mantendo o bom gosto e a coerência que seus 7 perfumes me apresentaram durante a semana que os explorei.

English:

Each journey into a new line is a mystery to me, an adventure that I never know exactly whether it is going to be good or bad. Lately I think I have been lucky with good adventures. One of the things that gives me more happiness is to find solid lines of perfumes, where you see a good combination of performance, price and aroma. Compared to market running for the most expensive luxury perfume, I would say that the creations of Francesca Dell'Oro have a great price for what it offers. It is a line thought to be good even when offers an easier concept to please the consumer. It's like every gem of this collection had a different occasion to be used, but none of them without giving up the taste and personal preference of Francesca, specially for luminosity in the compositions.

Within this collection, Page 29 bridges the gap of a more sweet perfume. At least at first, when you notice the first notes of the scent on the skin. It is assertive the description of Page 29 marketing, which says that this is one is like the page of a diary, containing several suggestions. It is like a collection of memories conducted by the scent memory of a waxy white flower aroma that much makes me think of  Jasmine. On the way out, it presents a sugary citrus sweetness that is thick, however is a different sweetness, already with a woody aura. In a second phase, it gains a floral aroma with resins nuances and something that suggests a leather smell. Finally, it ends in a beautiful woody aroma, rich vetiver, with iris nuances. It is the most complex of all Francesca, a vivid olfactory memory, intense, perhaps too intense for some.

Francine, tough,  is the lightest of the entire collection, a tribute to one of the classics in herbal aromatic style of perfumery, the excellent Vent Vert Balmain. Francine revisits the galbanum aroma structure, reducing its intensity and placing it under the prospect of a more citric and minty aroma. The effect of musk and woods is also increased, and they are mixed well to herbal ans slightly bitter traces of galbanum at the base, an opening note with staying power to last until the end of the evolution. There is something in Francine that sounds chic, shareable,  a tasteful spring aroma tasteful and a not banal modernizing  Vent Vert idea. It concludes my journey with the hope that this collection will continue to be expanded while maintaining the taste and consistency that its 7 perfumea 7 showed me during the week that explored them.