Pesquisar este blog

7 de jun de 2015

Fueguia Malabrigo Fragrance Review


Português (scroll down for english version):

A marca de nicho Argentina Fueguia construiu sua identidade com um pé forte na preocupação com estética e o storytelling e outro pé na perfumaria minimalista moderna. Seus perfumes são simples e diretos em sua fórmula, o que pode decepcionar talvez aos fãs de criações do passado ou os que procuram criações de vanguarda. Mas uma coisa é certa: eles complementam perfeitamente as histórias que os conceitos de cada criação deseja passar.

Orgulhosa de seu patrimônio cultural, a Fueguia explora de diversas maneiras personagens da América, principalmente da região dos Andes. Em Malabrigo, o destaque da vez é a um animal de grande valor comercial e que quase entrou em extinção por conta disso, a Vicunha. Alpaca, Lhama, Vicunha e Guanaco são todos camelíceos da América do Sul que se diferem basicamente pelo tamanho, peso e uso feito pelas civilizações da região. A Vicunha é o menor dos 4 e se destaca pela pelagem fina, muito usada para fazer lã de alta qualidade. A Lã da Vicunha protege contra o frio e os ventos fortes e esse animal, diferente da lhama e da alpaca, é selvagem.

Malabrigo em sua fórmula concisa me parece capturar exatamente esses dois aspectos da Vicunha, o seu lado selvagem e sua pelagem fina e macia. O objetivo de criar o aroma de um pescoço macio e suave de Vicunha é atingido e composição tem um interessante toque animálico que de forma distante me remete ao cheiro secundário de alguns perfumes de oud. O Cashmeran aqui faz o papel da pelagem macia e suave ao passo que a combinação de lignum vitae e copaíba criam um aroma amadeirado, esfumaçado e levemente animálico/selvagem.

Na sua simplicidade, há algo em malabrigo que soa mesmo selvagem, sem adornos, um aroma não domesticado. Ao mesmo tempo, me parece uma composição que pode servir de base para combinação com outros perfumes delicados, já que seu cheiro tem uma ótima performance.

English:

The Argentine niche brand Fueguia built its identity with a strong foot in the concern for aesthetics and storytelling and the other foot in modern minimalist perfumery. Their perfumes are simple and straightforward in its formula, which may disappoint perhaps the fans of creations from the past or those seeking cutting-edge creations. But one thing is certain: they perfectly complement the stories that the concepts of each creation wants to tell.

Proud of its cultural heritage, Fueguia explores in several forms characterof America, mainly from the Andean region. In Malabrigo, the highlight this is an animal with big business value and nearly went into extinction because of that, Vicuña. Alpaca, Llama, Guanaco and Vicuña are all camelids of South America that differ primarily by the size, weight and use made by the civilizations of the region. Vicuña is the smallest of four and stands out for thin coat, often used to make high quality wool. Its wool protects against the cold and strong winds and this animal, different from llama and alpaca, is wild.

Malabrigo in its concise formula seems to me to capture exactly these two aspects of the vicuña, the wild side and its fine, soft coat. The goal of creating the scent of a soft, smooth vicuña's neck is reached and composition has an interesting Animalic touch that distantly brings me to the secondary nuance scent of some oud perfumes. The Cashmeran here plays the soft and smooth coat part while the combination of lignum vitae and copaíba create a woody aroma, smoky and slightly animalic and wild.

In its simplicity, there is something in malabrigo that sounds very wild, unadorned, an untamed scent. At the same time, it seems to me a composition that can be the basis for combination with other delicate perfumes, since its smell has a great performance.