Pesquisar este blog

2 de mai de 2015

Zoologist Parfums Rhinoceros Fragrance Review


Português (scroll down for english version):

 Como os outros perfumes da série,Rhinoceros captura bem de forma abstrata características do animal que ele representa, nesse caso o Rinoceronte. É um perfume, como o animal em questão, grande e complexo, cheio de nuances, como se prestasse uma homenagem indireta ao olfato bem apurado dele (creio eu que para compensar sua visão, que aparentemente não é muito boa).
Rinocerontes são animais teimosos de uma couraça forte e isso para mim é representado pela escolha de um acorde de couro mais cru. Não chega a ser como o couro da bétula, que em seu cheiro tem um aroma defumado que alguns relacionam com bacon, mas também não é o aroma suave e delicado de uma camurça. O couro aqui é seco, me remetendo a cheiro de jaqueta nova, e a ele se mistura o cheiro mais herbal da lavanda e sálvia, o aroma seco de nuances de pinho e o cheiro de bebida de rum, um rum mais maduro, menos açúcarado que o normal.
A segunda fase desse animal também é selvagem, entretanto me parece mais refinada do que bestial. O Agarwood utilizado aqui não possui aspectos complicados e convive em proporções equilibradas com o aroma doce e picante do tabaco, o cheiro sutil de açúcar queimado e feno da sempre viva e a mistura mentolada e amadeirada de fundo, que reprisa parte da saída.
A última fase é interessante, pois não esperava esse lado mais aconchegante de seu cheiro. Os Rinocerontes, quando não estão defendendo seu território ou em época de procriação, são criaturas dóceis e isso se reflete justamente aqui. A Nota de Ambar a princípio mostra um cheiro mais seco, incensado e emborrachado, mas conforme passa o tempo se torna mais cremosa, com nuances de baunilha, e se mistura bem ao aroma do sândalo. Em um último momento, percebo algum material luminoso que me lembra algo amadeirado e ambarado, algo que parece simular ambergris, que nesse momento eu percebo como presente no perfume como um todo mas só evidente bem no final.
Eu acho curioso que dos 3, Rhinoceros seja o que me parece mais próximo ao que algumas marcas ditas de nicho tem feito, talvez pela temática oud + couro + madeiras + bebida. Entretanto, é um dos que mais me mostrou diferentes facetas, sendo bem trabalhado e, como os outros, coerente com o conceito que foi criado. Outro belo perfume, que encerra minha incursão pela trilogia desejoso de que mais deles sejam feitos em breve,

English:
Like the other two fragrances in the collection, Rhinoceros capture very well in an abstract way personality traces of the animal it represents, in this case the Rhinoceros. It's a fragrance as the animal in question, big and complex, full of nuances, as if this paid an indirect homage to their well developed olfact (which i presume is a way of compensating his vision, which apparently is not that good).
Rhinoceros are stubborn animals of a skin strong and rough as an armor and this for me is represented here by the choice of more crude leathery accord. It's isn't like rectified birch tar, which in its smell has a smoky aroma that some relate with bacon, but it's not the soft and delicate aroma of a suede. The leather here is dry, reminding of the new leather jacket aroma, and it gets mixed into the herbal lavender and sage nuances, the pine accents and the boozy rum smell, a more mature rum accord, less sugary than the usual.
This animal's second phase is also wild, altough it looks to me more refined than brutish. The agarwood used here doesn't have complicate aspects and it lives in equilibrate proportions with the sweet and spicy tobacco, the subtle burnt sugar and hay imortelle aromas and a minty and woody background, that kind of reprises the opening part.
The last phase is interesting because i didn't expect on it a more cozy side. The Rhinoceros, when they are not defending their dominion or aren't in procreation times, are docile creatures and this gets reflected here. The amber note at first has a more dry, incense and rubbery aroma but as the time passes it becomes more creamy, with vanilla nuances, and blends very well with the sandalwood. In a last moment, i notice a kind of luminous material that reminds me of something woody and ambery, something that seems to emulate ambergris, and in this moment i notice how this was evident in the fragrance the entire evolution but only clearly perceptible here at the very end.
I find amusing that from the three fragrances Rhinoceros seems to be the closest one in style to what some so-called niche brands have being doing, maybe due the theme of oud + leather + booze + woods.
However, it's also the one that showed me the most different aspects, being, like the others, very well developed and aligned with the created concept. Another beautiful creation that ends my incursion through the trilogy leaving me wishful that more like those are made soon.