Pesquisar este blog

21 de mai de 2015

Frederic Malle - Portrait of a Lady Fragrance Review



Português (scroll down for english version): É interessante como as vezes um perfume como Portrait Of A Lady pode ter diferentes níveis de significado e todos eles serem fiéis ao perfume de forma que é necessário considerá-los ao se aproximar de seu aroma numa tentativa de entendê-lo. Seria Portrait of a Lady uma referência a primeira fase da heroína do livro de Henry James, escrito em 1881, retratando a personagem de Isabel Archer, uma dama que deseja viver a vida longe das restrições sociais da época? Seria uma reconstrução do gostos de um determinado tipo de mulher, a mulher do passado ou talvez a mulher árabe contemporânea? Ou seria ainda uma referência a flor principal de sua composição, uma das grandes damas da perfumaria, a rosa? Eu diria que a resposta é sim para todas as perguntas, como se Malle e Dominique Ropion durante o seu trabalho meticuloso em construir esse aroma tivessem encontrado várias referenciais e unidos de forma coesa.

Quanto a primeira e mais direta, a ligação com o romance, Portrait of a Lady me faz pensar talvez em Isabel Archer na primeira parte da história, antes da sua fortuna herdada e sua vida após casamento que passa a representar tudo da sociedade da época que ela desejava evitar. É o aroma de uma Isabel Archer que desafia talvez a delicadeza dos soliflores femininos, um aroma de rosas com nuances frutais quentes, um aroma de cêra, algo levemente verde, atalcado, e tudo isso misturado ao aroma de uma base entre o chypre, pela terrosidade sem impurezas do patchouli, e o oriental incensado que emana de forma intensa e constante. Essa é uma Isabel Archer marcante e livre para ser e cheirar do jeito que quiser.

Ao mesmo tempo, Portrait of a Lady me parece apontar para a era pós primeira guerra mundial na perfumaria, de perfumes que uniam características bem masculinas e femininas para uma mulher que começava a explorar seus direitos e liberdades antes reprimidos e, assim, tomava conta de seu espaço na sociedade. Ele também me faz pensar nas composições orientais, apreciadas pelas mulheres (e também pelos homens), onde uma base amadeirada, uma espécie de oud moderno abstrato, convive com o aroma rico e sensual da rosa, das especiarias, do gerânio e do aroma chypre do patchouli.

Por último, Portrait of a Lady me mostra o quão dual um perfume denso em um rico aroma de rosas pode ser - não consigo chegar a conclusão, avançando para a sociedade moderna e para o nosso mundo ocidental, se num público de nicho e mais exclusivo essa composição seria tipicamente masculina ou feminina. Rosas podem ser trabalhadas das duas formas, uma dama que vestida adequadamente vira um robusto cavalheiro também. De fato, em alguns momentos Portrait of a Lady me lembra muito uma espécie de Polo Green despido de todo o seu cheiro de pinho e levado a uma espécie de base purificada de incenso, patchouli, com uma boa dose de rosas e gerânio. Ou talvez seja uma versão mais harmônica e menos azeda do aroma oriental andrógino de Noir de Noir, Ou ainda até mesmo uma criação de maior projeção e intensidade em relação ao aroma atalcado de rosas, açafrão e framboesa do luxuoso extrato edição limitada do David Yurman.

O fato é que Portrait, em qualquer dos níveis que você o considera, nunca entedia, nunca exibe nuances contraditórias ou se mostra menos do que o luxo que se esperaria de algo que levou tantas provas para ser criado e que utiliza uma quantia bem alta de um caro absoluto de rosas. Seu nome, devido aos seus inúmeros significados, deve ser levado com cautela, ainda mais pelos homens, já que Portrait é bem compartilhável e rende um magnifico oriental chypre masculino.

English/ It's interesting how sometimes a scent like Portrait Of A Lady may have different levels of meaning and they be all faithful to the perfume so that it is necessary to consider them when approaching the scent in an attempt to understand it. Would Portrait of a Lady be a reference to the first phase of the heroine of the book by Henry James, written in 1881, portraying the character of Isabel Archer, a lady who wants to live life away from the social constraints of the time? Would it be a reconstruction of the likes of a certain type of woman, the woman of the past or perhaps a contemporary Arab woman? Or would still be a reference to the main flower in the composition, one of the great ladies of perfumery, the rose? I'd say the answer is yes to all questions, as if  Malle and Dominique Ropion during their meticulous work on building this aroma had found several references and tied them together cohesively.

As the first and most direct, the link with the novel, Portrait of a Lady makes me think maybe of Isabel Archer in the first part of the story before her inherited fortune and her life after marriage that comes to represent all of society at the time that she wanted to avoid. It is the aroma of a Isabel Archer that challenges perhaps the delicacy of the female soliflores, an aroma of roses with warm fruity nuances, a waxy aroma, something slightly green, powdery, and all this mixed with the aroma of a base between the chypre by terrosidade patchouli without impurities, and the eastern incensed emanating from intense and constant form. This is a bold  Isabel Archer free to be and smell the way she migh want.

At the same time, Portrait of a Lady seems to point to the world post war era in perfumery, fragrances that united  male and female characteristics for a woman who was beginning to explore her rights and freedoms before repressed and thus took her place in society. It also makes me think of the eastern compositions appreciated by the women (and the men), where a woody base, a kind of abstract modern oud, live with the rich and sensual aroma of rose, spices, geranium and chypre scent of patchouli.

Finally, Portrait of a Lady shows me how dual a perfume dense on a rich aroma of roses can be - I can not reach the conclusion, advancing to modern society and to our Western world, if to  a niche audience and exclusive audience this composition would typically be male or female. Roses can be worked both ways, a lady dressed properly seen a robust gentleman too. Indeed, at times Portrait of a Lady reminds me a kind of Polo Green stripped of all its scent of pine and led to a kind of purified base of incense, patchouli, with a good dose of roses and geraniums. Or perhaps a more harmonious and less bitter version of the Eastern Noir Noir androgynous scent, Or even a creation of greater projection and intensity in relation to the powdery scent of roses, saffron and raspberry extract luxurious limited edition David Yurman.

The fact is that Portrait at any of the levels that you consider, never bored, never displays contradictory nuances or shows less than the luxury one would expect from something that took so many proofs to be created and uses a very high amount of a costly rose absolute. Its name due to its many meanings, should be taken with caution, especially by men, as well Portrait is shareable and yields a magnificent oriental chypre to the masculine public.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here