Pesquisar este blog

4 de mar de 2015

Jessica Simpson Fancy Nights Fragrance Review



 Mistérios dessa vida: quem diria que um perfume oriental tão clássico poderia sair de um flanker de um perfume de celebridade? Bem, eu não esperaria, mas é o que Fancy Nights da Jessica Simpson representa. De um ponto de vista histórico, aprendi recentemente que existem o que se chama de dois 'primers' no segmento dos perfumes orientais. São como estruturas fixas, a partir das quais você desenvolve seus conceitos e idéias. Uma delas, chamada de 'ambreine', descende diretamente do perfume oriental comercial mais icônico até hoje, Guerlain Shalimar. É uma combinação de bergamota fresca, vanilina, coumarina e civeta e que pode ser vista em perfumes como Must Cartier (na versão atual, sem civeta e acompanhado de jasmim), Dior Dune, Calvin Klein Obsession, entre outros. A outra vertente, chamada dentro da indústria como 'acorde mellis' e conhecida pelo público como 'oriental especiado' se tornou mais popular entre a década de 70 e 80 com o estrondoso sucesso do YSL Opium, que é um bom exemplo dela. Essa se vale da tensão entre o benzyl salicilate (aroma floral e picante, um item essencial em criações de um acorde de flor de cravo), lírio do vale, patchouli e cravo e é uma combinação que pode ser exemplificada em perfumes como Youth Dew, Coco Chanel e Dana Tabu. Fancy Nights e o perfume mais próximo dele, o Prada Amber, são uma mistura dessas duas idéias estruturais, criando uma harmonia que minimiza a influência da bergamota, remove a civeta e o lírio e mantém o aspecto especiado com algumas nuances de cravo só. Assim, o que brilha é o aroma doce de baunilha e coumarina versus o lado mais amadeirado, ambarado e especiado do patchouli com o cravo. Há alguns toques de rosa talvez, bem discretos aqui, mas o que predomina é a justaposição desses dois acordes, que juntos criam um belo oriental perfeitamente compartilhável e que faz referência aos clássicos. Apesar da semelhança clara com o Prada, em alguns momentos Fancy Nights me lembra a aura cremosa e dourada de baunilha do Must Cartier, indo mais em direção ao acorde ambreine. Considerando que o orçamento para essa criação não deve ter sido grande, é um triunfo do perfumista o que foi produzido. Vale a pena conhecer.