Pesquisar este blog

29 de mar de 2015

Guerlain Aqua Allegoria Teazzurra Fragrance Review


Português (scroll down for english version):

 Desde os primeiros indícios de criação dessa fragrância, Teazzurra tem sido apontado como uma versão comercial de um dos perfumes da linha de viagens que a Guerlain está descontinuando, a criação Les Voyages Olfactifs 04 Paris - Tokyo. Na minha visão, Teazzurra vai além disso, já que ao fazer essa análise esquece-se que o próprio Tokyo está inserido em uma espécie de família de perfumes onda a Guerlain explora simultaneamente o aroma de chá verde e o aroma floral de grande apelo primaveril do Lírio do Vale. É quase como se fosse um universo em paralelo a temática de amor gourmand e saturado que é a parte central da exploração da grife.
Nesse sentido, Teazzurra sintetiza de forma elegante diversas outras criações da grife, alinhado com a estratégia da marca de obter o retorno máximo das idéias exploradas anteriormente. A combinação de notas cítricas, chá verde e jasmim me remete tanto a sua criação de 1999, Herba Fresca, como ao perfume que celebrava a flor típica da primavera japonesa, o ótimo Cherry Blossom lançado em 2000. E ainda, de forma menos explícita, remete a parte mais fresca e brilhante do maravilhoso e infelizmente descontinuado Vetiver Pour Elle.
Teazzurra tem um tom cítrico, leve e que mesmo que não tenha menta já na saída me remete a um frescor mentolado. O Acorde de lírio do vale aqui parece calibrado justamente nas nuances de jasmim, no lado mais abstrato, luminoso, casando-o com a parte cítrica, combinando-o com os elementos verdes do aroma da nota de chá e tirando os elementos mais complicados, as nuances mais amargas de rosa, gálbano e o lado mais azedo dos cítricos não estão presentes aqui. O uso bem sutil da camomila lhe confere quase um efeito calmante, um cheiro floral delicado que combina muito bem com uma base de musk envolvida em um toque discreto de baunilha.
Teazzurra tem um certo comportamento linear, mas ele me remete bastante aos prazeres do verão. É fresco, compacto, harmônico, sem grandes saltos na sua evolução e uma excelente combinação de idéias já exploradas anteriormente pela marca. Com certeza está entre as boas criações já feitas dentro da linha Acqua Allegoria.

English:
Since the first creation indicators of this fragrance. Teazzurra has been pointed as a mainstream version of one of the fragrances inside the travel inspired line that Guerlain was discontinuing, the Les Voyages Olfactifs 04 Paris - Tokyo. In my point of view, Teazzurra goes beyond that, since by doing this analysis you forget that Tokyo itself was inserted into a kind of familie of fragrances where Guerlain explores simultaneously the green tea aroma and the floral aroma of wide spring apeal of Lily of the Valley. It's almost like those were an universe in parallel to the heavy gourmand love subject which is a central piece of exploration to the brand.
In this sense, Teazzurra synthesize in an ellegant way other creations from Guerlain, aligned to the brand's stratety of gain maximum return in the ideas previously explored. The combination of citric notas, green tea and jasmine remind both the 1999 creation, Herba Fresca, and the perfume that celebrates the typical flower of japanese spring, the great 2000 Cherry Blossom. E yet, in a less explicit way, it reminds of the fresh and bright part of the wonderful and saddly discontinued Vetiver Pour Elle.
Teazzurra has a soft, citrus side that even not containing mint in the opening it makes me think of a minty freshness. The lilly of the valley accord here seems calibrated precisely in the jasmine nuances, in the more abstract and luminous side, marrying it very well with the citrus part, combining it with the green elements of the greentea note and removing the more complicated elements, the rose bitter nuances, the galbanum and the sour side of citrus. The quite discreet use of chamomile confers it a calming effect, a delicate floral smell that combines very well into a musky base wrapped in discreet vanillic touches.
Teazzurra has a certain linear behavior, but it seems to remember me of the summer pleasures. It's fresh, compact, harminous, breezy, without big leaps in its evolution and a great combiation of previous explored idead. Certainly it's among the good greations already made into the Acqua Allegoria line.