Pesquisar este blog

4 de mar de 2015

Bleu de Chanel EDP Fragrance Review



Português (scroll down for english version):

 Me lembro que Bleu de Chanel foi um dos primeiros perfumes que eu avaliei para o meu blog há 4 anos atrás e que eu não poupei críticas ao seu aroma. Talvez pois na época eu possuía uma visão mais romantizada da qualidade da grife, coisa que eu não tenho hoje. Mercado comercial de perfumes masculinos nunca foi uma prioridade da indústria e apesar do crescimento nos últimos anos, ainda continua não sendo uma prioridade (ainda mais se vc considerar, por exemplo, que 30% das vendas de perfumes masculinos são é para uso das mulheres, logo elas ainda são o maior público consumidor). Por isso, a aversão ao risco é alta e mantém-se dentro das combinações que já se sabe que performam bem e praticamente todos os participantes desse mercado fazem isso - Chanel inclusive. A versão EDP do Bleu não é radicalmente diferente de Bleu e não foge da estrutura cítrico-amadeirado-herbal. Acho interessante a inclusão de forma secundária do material ambarado que começou sua vida de sucesso no One Million e se alastrou no mercado masculino como um todo. Ele está aqui também, porém em quantidades menores, de forma que por alguns breves momentos eu consigo notá-lo para depois ver ele se misturar ao cheiro cítrico acridoce (doce suave e bem pouco ácido, diga-se de passagem). Há também um toque floral quase subliminar aqui, disfarçado de aroma verde, que eu só percebo bem perto do pulso, uma quantia pequena de algo que me lembra rosas ou lírios verdes. De resto, a composição segue seu caminho da forma tradicional: aroma amadeirado de vetiver polido (sem nuances emborrachadas, úmidas ou qualquer outro caráter mais intenso de vetiver), nuances adocicadas picantes de gengibre misturada aos aromas cítricos e tons apimentados doces. Meu principal problema com o Bleu continua na versão EDP, a falta de surpresas, a semelhança (menor nessa concentração) com o Allure e o que me parece uma criação feita - como muitos masculinos - mais para se esconder do que se destacar. Mas talvez esse seja justamente a predileção de muitos, e nesse caso creio que a grife conseguiu entregar algo decente para eles.

English:

 I remember that Bleu de Chanel was one of the first fragrances i reviewed on my blog 4 years ago and that i didn't spared criticism on its aroma. Maybe at that time i had a much more romantic view of the artistic brand quality, which i don't have today anymore. The mainstream masculine fragrance market was never a priority inside the industry and altough its growth in the last years it's still not the main one (even more if you consider that, for instance, at least 30% of masculine fragrance sales are to women's use, so they are still the major consumer public). Thus, the risk aversion is high and the output remains inside the combinations we already know that have a good public performance and almost all players in this market do this - including Chanel. The EDP Bleu version is not radically different from the EDT and thus doesn't change the citrus-woody-aromatic structure. I think it's interesting the inclusion in a secondary fashion of the woody material that started it very successful moment in One Million and then had spread on the masculine market as a whole. It's here too, but in smaller quantities in a way that i can only notice for brief moments to then see it mixture into the citrusy bittersweet aroma (soft citrusy and just slightly bitter). There is also a floral touch almost subliminar here, masked into the green aroma, that i can only smell close to my writs, a very small amount of something the reminds green roses or lillies. Form the rest, the composition seems to follow its already known path in a traditional way: a woody polished vetiver aroma devoid of any rubbery or moist nuances or any other intense vetiver nuance, sweet spicy aromas from ginger mixed with citrus aromas and sweet peppery nuances. My main problem originally with Bleu remains in the EDP, the lack of surprises, the resemblance (here less than in the original launch) with Allure and what seems a creation made -  like many masculines - to hide yourseld instead of standing apart. But maybe this is the predilection of many man and in this context i guess that the brand delivered something decent to them.