Pesquisar este blog

28 de fev de 2015

Amberfig Parfums Oriental Noir Fragrance Review


Português (scroll down for the english version):

O que tinha para ser um perfume que eu não gostaria acabou se tornando uma surpresa na pele. Oriental Noir foi o Amberfig que eu menos gostei ao sentir rapidamente, pois o que ele me revelou foi um aroma de ambar seco e denso, algo que eu não sou fã. Mas na pele, surpresa, um belo oriental, denso porém, de forma curiosa, funciona muito bem no calor. O objetivo era criar um perfume inspirado em uma noite quente, baseado em especiarias e que estivesse de acordo com climas tórridos. Tudo isso é atingido. Gosto de como o cravo da índia é usado nesse perfume: ele com certeza é uma das primeiras impressões, um aroma que tem o lado um pouco mais doce dos cravinhos e que me remete ao cheiro de beijinho. Mas tenho certeza que não há muito cravo aqui, pois essa é uma especiaria controlada por restrições alérgicas devido a sua alta sensibilização na pele (pingue uma gota de óleo essencial de cravo da índia e vc vai sentir como se tivesse derrubado ácido em si). Curiosamente, sua presença é estendida para mim sugerida principalmente pelo benjoin e pela tonka e que, junto com a baunilha, criam essa sensação de um aroma doce que me remete a princípio a beijinho e depois a uma bebida doce e levemente alcóolica. Gosto da base amadeirada de Oriental Noir, é bem construída, com um aroma meio seco, meio verde, levemente terroso, que permanece de forma periférica imerso no aroma doce, incensado e denso da composição. Achei curioso que, no final das contas, o ambar que eu senti da primeira vez simplesmente não se revelou hoje na minha pele, tornando-se apenas um ator secundário para a estrutura de incenso proposta. Oriental Noir tem algo que me intriga, ao mesmo tempo que me parece bem clássico, principalmente pela escolha das essências, ele não me lembra um oriental clássico em si, é como se os elementos de uma estrutura assim tivessem sido rearranjados conforme o desejo do autor. Certamente é um perfume de nuances, tentar encontrá-las durante as vezes que você usar pode tornar a experiência mais complexa e interessante. Muito bom!

English:

What had all to be a fragrance that i wouldn't like ended becoming a big surprise on my skin. Oriental Noir was the Amberfig that i liked the least when i tried it briefly due the dry and dense ambery aroma it revealed to me, something that i'm not fond at all. But on  my skin, what a surprise, it's a beautiful oriental, still dense but curiously it works very well on warm and heat. The main purpose was creating a fragrance inspired on a summer night, based on spices and that would be suitable for torrid climates; all of this is achieved here. I like how the clove is used on this fragrance: it's certainly one of the main impressions, an aroma that has a sweeter side that reminds me more of the cloves put at the top of a typical brazilian candy called beijinho (it's a dough made basically of condensed milk and coconut, rolled into small balls decorated with clove on top and which is typical of birthday parties in my country). But i'm very sure that there isn't much clove here, since this is a restricted spice due the potencial allergic rashes it can cause from its skin sensibilization (one drop of pure clove essencial oil feels like you have dropped acid on you).  Curiously, it seems that its presence is extended to my mainly due the benjoin and tokna that together with the vanilla creatie this sweet sensation aroma that makes me think firstly of the aforementioned beijinho and after that it reminds me of a sweet and boozy drinnk. I like the woody base in Oriental Noir, it's very well blended and conveys me a dry, slightly sweet and earthy aroma, something that seems to remain peripherally imersed into the sweet, incense-like and dense aroma of this composition. It's inrtiguing for me that, in the end, the amber aroma i noticed at the first time simply didn't  dominate the composition on my skin on any moment, it was just a supporting actor to the overall incense structure.  Oriental Noir has something that intrigues me, at the same time it sounds very classic, mainly due the essences used, it doesn't smell lika a classic oriental itself and it's like the elements of an oriental structure were rearranged according the perfumers' wish. Certainly this is a fragrance full of nuances, trying to find them during the moments you wear it can make the experience more complex and interesting. Very good!