Pesquisar este blog

14 de jan de 2015

Les Liquides Imaginaires Bello Rabelo

Português (Scroll Down for English Version):

Novamente me deparo com um problema de evolução nessa trilogia inspirada em vinhos da Les Liquides Imaginaires. Se em Bloody Wood o problema é uma evolução muito rente a pele e em Dom Rosa há em sua evolução um aspecto de aroma funcional, em Bello Rabelo há uma semelhança muito grande com um outro perfume de outra grife. A inspiração no vinho é interessante, é uma das poucas que eu já vi até hoje onde as frutas são desprovidas de qualquer doçura ou aroma azedinho. São como o aroma de uvas em um vinho sem nenhuma doçura. O que vem logo em seguida é bem familiar e me deixou intrigado, pois era um aroma exótico bem conhecido. A princípio, pensei que estivesse sentido uma versão do Jeux de Peau do Serge Lutens sem o aroma de pão, mas depois me toquei que sua semelhança era muito grande com o Marquis de Sade da Histoires de Parfums. É um aroma de imortelle sem ter cheiro de açucar queimado, puxando mais o aroma de feno, misturado com um cheiro de ambar seco incensado e um leve uso de baunilha e da mirra para reforçar o lado frutal da composição. É fato que pirâmides olfativas não servem para dizer que dois perfumes são iguais, tendo em vista que pela pirâmide não se sabe quais são os verdadeiro elementos fazendo aquele papel (naturais ou sintéticos) e nem em quais concentrações eles se encontram. Mas para mim é muito estranho que os dois sejam tão parecidos quando evoluem. Vejo ótimas idéias nos Les Liquides Imaginaires, vejo perfumes completos, aromas agradáveis mas vejo problemas de coerência nas 3 criações. Coerência tanto na coleção em si (uma coleção de perfumes inspirados em vinhos com um focado em champagne) como na forma de desenvolvimento dos conceitos. Considerando que não são perfumes com preço acessível, eu não recomendaria nenhum dos 3.


English:

 Again i face an evolution issue on this Les Liquides Imaginaires wine trilogy. If in Bloody Wood the main problem is the too close to skin evolution and in Dom Rosa my main concern is the functional note out of place, in Bello Rabelo I see a huge similiarity with another brand's creation. The wine inspiration here is very interesting, it's one of the fews i have seen so far were the fruits lack any tart or sweetness on their aroma. They are like the aroma of grapes in one of those dry wines. What comes next is very familiar and left me intrigued because it was an exotic smell very well known. At first i thought i was smelling a SL Jeux de Peau version without the bread note, but then i realized that it similarty was too close with the Histoires de Parfums Marquis de Sade. It's an imortelle note without the burnt sugar aspect, with the hay side more intense, mixed in a dry, incensed amber and a subtle hint of vanilla and use of myrrh to slightly reinforce the fruits in the wine. It's a fact that scented pyramids cannot tell you how close to fragrances are, in view of that you cannot know the real elements playing the role of the notes listed (be they natural or synthetic) and neither you know in which concentration they are. But i think it's very weird that those two are so similar when they drydown. I see great ideas on Les Liquides Imaginaires, i see complete fragrances, pleasant aromas but they three lack coeherence. This is a problem in the collection as whole, considering you only have 3 fragrances inspired on wine and one of them is a champagne one instead; it's also a coeherence execution issue, with poor or unoriginal developments. Considering that they are not cheap fragrances, i don't recommend any of the trio.