Pesquisar este blog

29 de dez de 2012

3 Momentos de Destaque - Julho 2012


Em Julho, continuei com as temáticas mensais e fiz a terceira do ano, dessa vez não focado em uma grife específica, mas sim em uma nota que foi uma grande tendência em 2012 e que deve continuar a ser em 2013: agarwood, também conhecido por oud. A resina extraída das árvores do gênero Aquillaria é produzido quando estas, infectadas por um fungo, o produzem para sobreviver e combater a infecção. É uma resina legendária nas culturas Orientais, muito utilizada pelo seu aroma nobre, complexo, de diversas nuances (doces, frutais, amadeiradas, incensadas, animálicas, resinosas). Antes restrita a poucos perfumes e mais concentrada na cultura oriental, vimos em 2011 e em 2012 a ascenção da popularidade do agarwood C=com a redescoberta do interesse pela cultura oriental, em especial a árabe, e com a ascenção de bons sintéticos capazes de reproduzí-la (visto que as árvores desse gênero estão ameaçadas de extinção pela sua exploração intensa, o que torna o seu custo alto para ser explorado até por grifes de nicho). Infelizmente, como tudo que é tendência, muito tem sido lançado sem que se saia das combinações conhecidas e que funcionam, mas ainda é possível encontrar boas criações que exploram de forma luxuosa e com qualidade, mesmo que de maneira sintética, essa nobre resina.

By Kilian Incense Oud - Da linha de perfumes de Oud da Kilian, Rose Oud pode ser um dos meus favoritos mas Incense Oud é o que me conquistou mais pela sua exploração do aroma por outra perspectiva, a do incenso. Isso dá a ele uma abordagem diferente, que se distancia do aspecto ambarado e doce que muitos perfumes de oud possuem e o coloca numa perspectiva mais amadeirada, seca, esfumaçada. Há aspectos doces, porém menos evidentes, misturados com leves nuances de flores e uma aura sutilmente atalcada. É um perfume contemplativo, nem tão forte, nem tão suave, uma criação de aura serene e aconchegante. É um que eu adoraria ter um frasco algum dia.


Yves Saint Laurent M7 - apesar de muitos perfumes com agarwood terem sido lançados recentemente, M7, de 2002, continua sendo uma das melhores criações comerciais, muito a frente de seu tempo. Tom Ford foi visionário e correu um grande risco em lançá-lo, um perfume masculino sensual, ousado, de forte projeção e complexidade e que se mostrou, com o tempo, não ser o grande sucesso de vendas que esperavam. Com isso, infelizmente o perfume foi reformulado, depois descontinuado e agora volta em uma nova versão, que ainda não tive chance de conhcer. O clásssico é ainda um dos meus prediletos e um dos responsáveis por ter feito eu consolidar meu interesse por perfumes. É uma criação que até hoje me permite conhecer novas nuances de seu aroma, por tentar cobrir vários dos aspectos do agarwood pela justaposição de outras notas que intensificam esses aspectos na pele junto com o sintético que faz o papel de agarwood. Com isso, M7 tem um aroma doce, medicinal, resinoso, amadeirado, almiscarado até mesmo um pouco animálico na sua faceeta almiscarada. É uma sensual criação que evolui sem pressa na pele, que começa e termina rica e que tem uma das melhores durações que eu já vi em um perfume até hoje. É, na minha opinião, a obra prima da Yves Saint Laurent e um de seus mais arriscados e sensuais perfumes lançados até hoje.

Montale Red Aoud - Antes mesmo de o Oud entrar em cena como tendência comercial a Montale já o explorava de forma central em sua linhas de fragrâncias, o que de certa forma preparou terreno para a tendência que viria logo em seguida. Os perfumes de agarwood da Montale são densos, duradouros, exóticos e sensuais, entretanto acabam sendo variações entre si do mesmo tema, o que torna difícil encontrar Montales com Aoud que sejam realmente originais depois que você conhece alguns. Os 3 pilares da marca, na minha opinião, são Black Aoud, White Aoud e o que eu escolho para destacar agora, Red Aoud. Enquanto Black Aoud explora de forma mais incensada e dark o acorde, enquanto o white aoud o envolve em uma base mais clean, almiscarada e elegante, Red Aoud lhe dá um contorno sensual, envolvendo em uma deliciosa iris e em um sândalo cremoso e adocicado. A combinação em si tem, junto com um acorde frutal da saída, um certo aspecto gourmand que as vezes é mais ou menos evidente na pele. É um dos Aouds que se mostra mais complexo na pele, evoluindo e dando espaço para outras notas aparecerem além do Oud, coisa que nem sempre acontece nos perfumes da marca.