Pesquisar este blog

11 de out de 2011

Fahrenheit - Christian Dior Avaliação



Notas:  lavanda, laranja mandarina, jacinto, noz moscada, cedro, bergamota, camomila, limão, flor de cravo,  madressilva, sândalo, folha de violeta, jasmim, lírio do vale, cedro, couro, fava tonka, ambar, patchouli, musk, vetiver

Avaliar as diversas reformulações dos perfumes da grife francesa Christian Dior é uma tarefa similar a de avaliar um mesmo roteiro de filme que passou por diversas adaptações de direção. Seja por restrições européias a supostos elementos das fórmulas causadores de alergia, barateamento dos custos ou adaptação ao gosto atual do consumidor, a única certeza que se tem é que invariavelmente os perfumes da Dior mantém a estrutura mas muitas vezes mudam radicamente os detalhes, pequenos ou grandes, do cheiro na pele em versões lançadas ao longo dos anos. Fahrenheit é um de seus mais distintos perfumes que sofreram no mínimo 4 alterações desde o seu lançamento em 1988 e portanto para avaliá-lo justamente é necessário levar em conta a versão da qual se fala. Aqui focarei em uma comparação entre a primeira versão e a penúltima reformulação do perfume.

Fahrenheit é um perfume que demonstra que a Dior não tem medo de arriscar em um mercado altamente conservador como o mercado masculino. Lançado num período transicional, Fahrenheit não se enquadra nos fougeres fortes e amadeirados dos anos 80 e nem na tendência aquática que tomaria conta dos lançamentos mascuinos a partir da década de 90. É uma criação que surpreende por dar a um tema tão tradicional, o perfume de couro, um tonalidade seca de flores e elementos cítricos. Essa tonalidade é ainda mais evidente na primeira versão, que possui uma  aura outonal e seca, como se as flores utilizadas nele tivessem secado mantém apenas um pouco de seu aroma sensual, formando uma curiosa aura oleosa que remete a alguns inclusive a aroma de gasolina. A saída é marcada pela camomila, envolta em uma combinação predominantemente cítrica e seca. Conforme evolui, o cheiro de couro se destaca e é combinado com a folha de violeta e pout-pourri de flores especiadas e brancas, que conferem um discreto lado frutal mais seco a aura acourada e de violeta. Na base, o couro abre espaço para uma evolução predominantemente amadeirada, onde o musk e a fava tonka são utilizadas apenas como coadjuvantes para suavizar o aspecto seco das madeiras.

A versão mais recente do Fahrenheit parece uma adaptação cinematográfica de menor custo e controvérsia. Ainda que a idéia original de uma panorâmica outonal de couro e flores exista ela foi adaptada para se tornar mais rápida, mais simples e isso consequentemente a torna menos impactante. A saída retém o aspecto mais cítrico, entretanto se torna mais rápida e perde o aspecto mais exótico e seco. As flores se tornam na evolução rápidas cenas da evolução do original, dando mais ênfase a um aroma de violeta mais simples, porém ainda bom. O couro da base parece menos seco e amadeirado, com um cheiro que remete mais a uma reprodução do aroma de camurça em meio a uma aura sintética amadeirada.

E como em muitas adaptações cinematográficas, muitos dos fãs da versão original não gostarão das versões lançadas posteriormente, ao passo que alguns acharão mais fácil de apreciar a idéia readaptada. É difícil, entretanto, prever até quando as mudanças feitas não irão desfigurar por completo a idéia original proposta, portanto a beleza outonal de Fahrenheit pode estar fadada em um futuro próximo a existir somente na memória daqueles que tiveram a chance de conhecer seu cheiro algum dia.

3 comentários:

Unknown disse...

Estou decepcionado com o perfume. A fixação não dura 4 horas. Comprei no Duty Free um Dior Fahrenheit de 200 ML e me arrependo! Porque será que eles acabaram com a fixação?

Anônimo disse...

Comprei um Fahrenheit esses dias na Elegancia Company no Paraguai e tem um afixação absurda. Passadas 24h e 2 banhos tomados ainda sinto o cheiro dele na pele. Até me preocupa usá-lo por algumas horas pois sei que é difícil tirar o cheiro dele, rs... Veja se o seu não é falsificado amigo.

Antonio Felipe Calabrez disse...

https://rezenhando.wordpress.com/2017/01/02/o-incinerador-de-paixoes-chamado-fahrenheit-dior/

Fahrenheit é aquele perfume literalmente matador. Com uma nota quente e encorpada de madeira rústica, é uma fragrância instintiva que não pede licença pra entrar e ativar o lado irracional de uma mulher ou de quem quer que seja que esteja perto, persuasão é o seu apelido.

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here