Pesquisar este blog

30 de ago de 2011

Bryant Park - Bond No 9 Avaliação/Review



Notas: Ruibarbo, lírio do vale, pimenta rosa, rosa, patchouli, ambar, framboesa

Parte da série de composições que busca inspiração nos parques de nova york, Bryant Park é uma dos poucas criações da grife que consegue oferecer um aroma agradável, equilibrado e complexo. Percebe-se que muitas criações da grife não tem a qualidade que se espera de um perfume mais exclusivo, que não deveria ser a versão potente de um desodorante ou shampoo engarrafada num frasco bonito e caixa bem elaborada. Ao não seguir esse caminho, Bryant Park se destaca como um chypre floral da linha que explora uma tendência comercial sem soar como uma cópia dos que vieram anteriormente dele.

Bryant Park é estruturado ao redor de um aroma canforado e amadeirado, que se mantem presente sem ser dominante em todos os momentos da evolução na pele. A saída é o ponto mais fresco, frutal e aquático do perfume, que tenta fazer a ligação com o ambiente do parque. O ruibarbo é o destaque, oferecendo um cheiro cremoso, frutal, um pouco ácido. O lírio do vale é usado para conferir um aspecto floral primaveril, aquático, que se mantem controlado e não é enjoativo. A pimenta rosa é dosada para ressaltar mais a aura frutal elegante desse parque, sendo o ponto de ligação com a predominância de rosa e patchouli no centro do aroma. A combinação é feita de forma harmônica, com um patchouli dividido entre um cheiro amadeirado clean e um canforado adocicado e uma rosa que cria uma aura sedosa, levemente verde e azeda. A transição para a base é feito de forma quase imperceptível, com o ambar assumindo o lugar do patchouli para conferir o aspecto canforado doce da idéia enquanto a framboesa é provavelmente representada por um acorde de musk que sugere um lado frutal mas confere um aroma almiscarado ligeiramente doce e cremoso que substitui a rosa na parte sedosa da idéia.

Para os que curtem chypres florais e frutais modernos, Bryant Park é elegante, possuindo a aura que se espera em geral dessa família, porém com mais espaço para cada um dos elementos. É possível comparar seu cheiro com a composição de um parque que não oferece novidades mas que apresenta atrações o suficiente posicionadas de forma que você aproveita cada uma delas de acordo com o valor pago pela entrada. Com uma boa fixação, Bryant Park garante uma agradável experiência chypre floral frutal para dias de calor.


4 comentários:

Mônica Lethos disse...

Adorei sua descrição, principalmente quanto o aspecto canforado e amadeirado da fragrância. Estava temerosa quanto ao lírio do vale, que quando não equilibrado me provoca dor de cabeça. Eu sempre desejei encontrar um perfume com tivesse framboesa em suas notas, mas ao longo dos testes fui me decepcionando com a minha busca pois ansiava por encontrar um aroma de framboesas naturais, mas só me deparei com aromas super sintéticos. Todavia, essa sua descrição reascendeu as minhas esperanças de encontrar uma framboesa de qualidade em detrimento dessas genéricas estilo Apparition do Ungaro, que eu particularmente acho um aroma intolerável. O Bryant Park me parece um perfume bem equilibrado em que nenhuma nota "grita" e se destaca exacerbadamente, e o fato de ser indicado para dias de calor o torna ainda mais interessante. Vou anotar essa dica!

Bjs!

Rick disse...

Olá mônica!
Se o lírio do vale te preocupava, nesse perfume ele não é evidente. Não costumo ser muito fã de lírio do vale, e ele não me incomoda aqui. O cheiro de framboesa, entretanto, eu acho bem sutil. O de ruibarbo é o mais evidente, e é o que dá, junto com a pimenta rosa, a cara frutal da idéia chypre. Não sei se existem perfumes de framboesa naturais, pode ser que essa seja mais uma das frutas onde o cheiro não resiste aos métodos de extração. Muitas frutas são assim, e acabam sendo reproduzidas de forma aproximada por meio de sintéticos.
Nenhuma nota grite no Bryant Park mesmo, é bem equilibrado, do tipo que vc sente durante o dia mas sem te incomodar.
Bjos!

Mônica Lethos disse...

Oiii, Rick,

Talvez eu tenha me expressado mal quanto ao desejar um cheiro natural, na verdade o que desejo é encontrar um aroma ainda que sintético que se aproxime o mais fielmente possível do natural que é delicioso, o que me incomoda muito é sentir na minha pele um aroma muito artifical, fake de framboesa, que eu acho extremamente enjoativo e desagradável. Um exemplo de notal frutal que me agrada é a amora do Amethyst de Lalique, apesar de ser um aroma reproduzido por meios sintéticos ao meu ver se aproxima bem do cheiro de uma amora natural, pelo menos ao meu olfato, rs.

Mais um aspecto interessante do Bryant Park, adoro perfumes que exalam o dia inteiro sem incomodar, acho que as chances de rolar uma química entre nós é grande, rs.

Beijos!

Rick disse...

Mônica, eu não costumo recomendar perfumes de celebridades, porém se o que você procura de amora é algo no estilo do Amethyst você vai encontrá-la no Purr da Kate Perry. O Amethyst foi o primeiro perfume que me veio a cabeça quando sentio Purr, por isso acho que talvez você possa gostar dele.

Bjos!

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here