Pesquisar este blog

4 de jun de 2011

Loewe 7 - Loewe Resenha/Review


Notas: Rosa, Lírio do Vale, Neroli, Pimenta, Incenso, Cedro, Essência de Maçã Vermelha, Musk, Vetiver

Há uma tendência na perfumaria que tem se mostrado evidente quanto a criação dos perfumes, uma espécie de minimalismo na construçao dos aromas. Limita-se as formulas a idéias compactas e diretas, mais fáceis de serem harmonizadas e criadas, mas simples de serem entendidas, de forma que o que o consumidor prova é o cheiro que ele sentirá na sua pele, sem surpresas. O difícil, entretanto, com uma abordagem assim é criar identidade e singularidade no que é lançado, o que faz com que perfumes com as mesmas notas acabem tendo, especialmente após algumas horas, evoluções muito parecidas entre si. Loewe 7 é um bom exemplo de como conseguir identidade e simplicidade ao mesmo tempo em um aroma amadeirado e incensado de uma beleza masculina raramente vista no mercado comercial.


Loewe utiliza-se da ideía da perfeição associada ao número 7 em combinação com a cultura espanhola para criar, segundo a visão da grife, um perfume de um toureiro. Loewe 7 é complexo e direto ao mesmo tempo, limitando basicamente sua evolução a 7 pontos que giram entre o lado amadeirado, incensado, os elementos mais masculinos desse toureiro, em contraste com o aspecto floral e frutal dele, alusões a persona feminina do matador. E o resultado é fortuito pois há uma sinergia perfeita entre cada um dos elementos. O incenso e o cedro predominam em boa parte da evolução, sugerindo por alguns momentos a identidade bem explorada artisticamente ela grife Comme de Garcons em vários de seus perfumes, em especial na Incense Series. A dinâmica entre o lado especiado, frutal e floral é o que evita 7 de soar como uma simplificação de uma idéia artística. Há um uso bem direto de pimenta, que contrasta bem com o cedro e incenso para criar o acorde másculo, mas o lado floral, discretamente doce e almiscarado, em conjunto com o toque frutado vermelho da maçã dão um charme especial a esse toureiro. Ele passa uma imagem séria, viril, mas ainda sim é preocupado com os detalhes e cuida da sua estética de uma forma especial, ousando se apropriar de elementos diferentes do seu universo. Musk e Vetiver fecham a composição, ajudando a estruturar o perfume, onde o vetiver estende o lado amadeirado e o musk confere cremosidade as flores e um sutil adocicado a maçã.

Loewe 7 tem uma identidade clara, que consegue chegar na masculinidade olfativa associada ao toureiro combinando a com o aspecto feminino, unindo-os com cuidado nos poucos elementos que envolvem seu cheiro. Loewe 7 cumpre o que promete e oferece o incenso, flores, especiarias, musk, frutas e madeiras que suas notas prometem. Como um lançamento comercial, a singularidade não é o seu foco, entretanto a sua clara e bem feita identidade escolhe as notas certas para passar sua mensagem e é uma dos melhores lançamentos para o homem que procura um perfume solidamente masculino, focado em madeiras, especiarias e incenso, mas que vai além disso e usa de forma charmosa elementos que, comercialmente, são mais associados ao universo feminino.

2 comentários:

SIMONE SHITRIT disse...

Loewe 7 impressiona por dois motivos - uma marca clássica conseguiu com primor se modernizar sem perder sua identidade e valores.
Um perfume que caprichou na quantidade de rosa e mesmo assim continuou apresentando uma fragrância máscula e cheia de testosterona. Ao mesmo tempo, ela poderá ser usada por mulheres.
Muito interessante, de difícil construção, mas com um resultado satisfatório.
bjo

Rick disse...

É sifícil atingir uma construção assim com poucas notas, mas a grife foi realmente muito feliz na execução clássica, máscula, mas inteligente o suficiente para ficar bom em mulheres também (Apesar de que, particularmente, eu sempre sou a favor de provar e ver o que fica bom idenpendete da classificação original rs)
Bjos!

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here