Pesquisar este blog

3 de abr de 2011

Habit Rouge EDC - Guerlain


Notas: laranja, lima, lemão, bergamota, lavanda, canela, manjericão, cravo, rosa, pau-rosa, cedro, sândalo, patchouli, baunilha, couro, benjoim, olíbano, labdanum

Um dos maiores sucessos da perfumaria masculina da grife, Habit Rouge em sua versão mais antiga pode soar muito estranho ao olfato masculino de hoje, acostumado com composições mais aquáticas, ou doces, e no geral sem nenhum aspecto atalcado sequer. Composto por Jean Paul Guerlain como uma homenagem ao mundo equestre, sendo o nome uma referência a jaqueta usada pelos cavalheiros nas caças à raposas, a verdade é que Habit Rouge é um retrato da elegância e complexidade de uma composição oriental sob a ótica do mundo masculino e formal da selaria.

A versão Eau de Cologne é talvez uma das mais interessantes da formulação mais antiga de Habit Rouge. É a versão na qual percebe-se um complexo equilíbrio entre as três facetas dominantes do perfume - cítrico, couro e baunilha. Habit Rouge foi um dos primeiros perfumes orientais masculinos, um perfume onde Jean Paul Guerlain transporta a nota de seu coração, a baunilha, para a perfumaria masculina.E para isso, há uma boa dose de notas cítricas, madeiras e couro, que criam uma aura mais séria, formal, ao redor do aroma sensual e doce da baunilha.

Os primeiros minutos da EDC na pele são uma combinação clássica de notas cítricas num estilo mais antigo, onde percebe-se um aspecto levemente animálico nelas. Há desde o começo um aroma atalcado entre a composição cítrica e complexa, que acompanha a evolução de habit rouge até o fim. Conforme o tempo passa e esse formal cavalheiro se desenvolve, é possível perceber o seu lado mais adocicado, que remete a um transporte do mundo oriental, resinoso e atalcado de Shalimar para a realidade masculina. É nesse momento que se tem a impressão que Habit Rouge é o perfume de um homem que ama o aroma adocicado, resinoso, atalcado de Shalimar e que o combina com a sua colônia cítrica clássica, e que a mistura desse cheiro, aliado ao aroma seco e ambarado do couro, é que se torna a sua assinatura olfativa, a sua marca registrada nesse mundo das corridas.

O contraste entre um lado atalcado, cítrico sujo e abaunilhado incensado é o que faz de Habit Rouge um clássico. E como a maioria dos clássicos, infelizmente seu cheiro complexo, que demanda um tempo para ser entendido e apreciado, se perdeu em um nossa época moderna, rápida, onde tudo deve ser compreendido em pouco tempo e onde a formalidade perdeu espaço para a informalidade. Habit Rouge,talvez seja melhor apreciado hoje na intimidade do lar, como um prazer secreto, uma recordação de um mundo que não se encaixa na realidade masculina de hoje. Ou, ainda, como um diferencial àqueles que ousam se diferenciar das regras e padrões aromáticos impostos. Em qualquer um dos casos, vale a pena provar o que é uma das composições mais marcantes e únicas da perfumaria masculina.

2 comentários:

Luiz Alberto disse...

Eu acho que uma das primeiras características de quem se torna um perfumólatra e não mais um simples colecionador de perfumes é não se preocupar mais com convenções, tendências, modismos, por isso usar meu habit rouge é sempre um prazer apesar de saber que todos em volta estão me olhando com aquela cara de "que cara mais ultrapassado!!"

Rick disse...

Excelente comentário Luiz! Eu tbm acho que quando você passa a amar completamente os perfumes, mesmo que eles possuam um ar mais antigo você não deixa de usá-los. Habit Rouge, entre os perfumes clássicos, é um dos mais elegantes que tem. Para mim, ele é único

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here