Pesquisar este blog

20 de mar de 2011

Uden, Oesel, Shingl e Dhajala - Xerjoff


A Coleção de perfumes shooting stars da Xerjoff parece polarizada em seu sucesso ao criar perfumes exclusivos. Sem restrições quanto ao uso de matérias primas de qualidade, percebe-se que em geral as criações dessa linha são agradáveis, mesmo quando não são memoráveis, de serem observadas conforme evoluem na pele. Há um cuidado do começo ao fim dos perfumes, de forma que eles começam com saídas agradáveis e terminam em bases aconchegantes. O maior problema seja, talvez, a similaridade que alguns possuem com perfumes comerciais, que levanta imediatamente um questionamento quanto a necessidade de adquirí-los, levando quem os prova a pensar se vale a pena um perfume de matérias de qualidade e uma evolução impecável  aliada a uma fórmula comercial já conhecida. Uden, Oesel ,Shingl e Dhajala apresentam essa característica, sendo que dos quatro, Shingl consegue ser interessante apesar desse detalhe e Dhajala fica num meio termo entre a qualidade e a fórmula conhecida.


Uden

Notas: Grapegruit, Limão, Rum, Guaiac Wood, Baunilha, Rosa, Ambar, Musk

Uden na pele parece unir duas vizinhas olfativas em sua composição, uma masculina e uma feminina. É uma combinação de idéias cítricas, abaunilhadas e radiantes, algo entre o cheiro de Allure Homme (Chanel) e Gloria (Cacharel), dois ótimos perfumes comerciais. Uden não traz nada de novo na combinação do que esses dois possuem, mas contrói a partir deles algo agradável de ser apreciado. A saída possui a predominância cítrica do Allure Homme, com um limão bem parecido, cítrico e doce, combinado a uma bergamota ligeiramente azedinha. Conforme ele evolui, a madeira de guaiac o carrega numa direção um pouco mais amadeirada, mas em breve as notas de rosa, rum e beunilha se tornam dominantes e o transformam num parente da radiância licorosa floral de Gloria. O rum faz o papel do licor de amaretto, um doce alcóolico, mas sem o aspecto um pouco amargo, a rosa confere um floral bem discreto, e a baunilha, ambar e musk formam uma radiância cremosa e adocicada na pele, que deixa um delicado rastro. Uden, apesar de classificado como masculino, é perfeitamente unissex e elegante, porém um pouco genérico. Creio que é necessário gostar muito dele para pensar em adquirí-lo.

Oesel

Notas: Petit Grain, Flor de Laranjeira, Jasmim, Rosa, Mimosa, Flores Brancas, Patchouli, Cedro Ambar

Oesel talvez só perca de Dhofar entre os mais decepcionantes da linha Shooting Stars, porém por motivos diferentes. Oesel não parece mal-formulado com Dhofar, o único xerjoff que é um projeto mal acabado, porém ele soa como uma cópia descarada do Fleur du Male (Jean Paul Gaultier) do começo ao fim. Oesel abre de uma forma extremamente similar ao Fleur du Male, porém menos pungente, mais balanceada. Há um equilíbrio entre o petit-grain e a flor de laranjeira, e Oesel comprova mais uma vez a preferência da marca por notas cítricas, aqui utilizadas num contexto mais floral. A flor de laranjeira é menos intensa que no fleur du male e o petit grain parece mais destacado, conferindo um cítrico meio amargo e doce entre o aroma floral branco. Conforme evolui, da mesma forma que Fleur du Male, Oesel se transforma em um floral branco dominado pelo jasmim e com um discreto uso do aroma floral delicadamente doce da mimosa, indo em direção a uma base que, diferente do Fleur du Male, parece um pouco mais amadeirada e almiscarada, não possuindo a parte atalcada. Alguns podem vir a argumentar que as diferenças na execução tornam Oesel válido, mas a sua assinatura, o que predomina nele do começo ao fim, o torna um Fleur du Male mais balanceado apenas, sem nada novo, e incrivelmente mais caro. Da mesma forma que Uden, Oesel parece perfeitamente compartilhável.

Shingl

Notas: Bergamota, Manjericão, Anis, Iris, Rum, Baunilha, Ambar, Musk

Shingl é talvez um dos poucos da linha que não abre de uma forma cítrica na pele. Apesar das notas de bergamota, manjericão e anis serem listadas, nenhuma delas se destaca na pele inicialmente.O que prevalece é um acorde de cravo belo e com um ar vintage. É necessário ser fã da nota para poder apreciar seu aroma seco, especiado, sutilmente floral. O cravo combina muito bem com a iris que surge após alguns momentos na pele, essa uma iris mais seca, desprovida de seu costumeiro lado atalcado e floral. A combinação me faz remeter a parte da assinatura olfativa dos perfumes da Guerlain, a Guerlinade, porém reinterpretada numa forma mais direta e legível. O que faz com que Shingl não pareça uma tentativa de cópia dos perfumes da Guerlain é exatamente a base. Rum, Baunilha, Ambar e Musk se conbinam de uma forma muito melhor que a base do Uden, também feita dessas notas. O rum é mais intenso, sem perder o seu lado adocicado, e a baunilha e musk predominam em sua cremosidade em relação ao ambar, favorecendo uma doçura que forma um cheiro invernal e confortável ao ser percebida junto ao aroma seco e especiado do cravo e iris. Shingl possui uma fixação ótima, e seu cheiro alegre, confortável e sério impregna nas roupas e em quem o usa.

Dhajala

Notas: Flor de laranjeira,  Gálbano,  Pimenta Rosa, Ambar, Bálsamos de Tonkiphora e Myroswellia

Dhajala se destaca dos outros da linha por possuir uma evolução diferente. A maioria deles segue a risca a estrutura onde percebe-se as notas de cabeça, depois as de corpo/coração e por último as de fundo. Dhajala, entretanto, tem o cheiro da sua base evidente do começo ao fim. O Ambar e os bálsamos acabam funcionando como sua assinatura olfativa. O maior problema é que essa combinação o faz ter um cheiro bem próximo a estrutura de perfumes como Prada Edp e Opium Pour Homme EDP. Os bálsamos reproduzem o cheiro do patchouli sem o lado canforado e sujo dessa nota, e o ambar acrescenta uma tonalidade de mel seco a composição. O floral da saída é menos cítrico e bem rápido, dando logo espaço para uma boa quantidade de pimenta adocicada. O gálbano aparece depois de um tempo, de uma forma diferente a qual ele é utilizado nos perfumes, focado mais no aroma de grama e resina e sem o cheiro amargo e abafado da nota. A interação laranjeira, gálbano e pimenta rosa poderia tornar Dhajala mais único, entretanto o que prevalece, a base, é o que faz dele um perfume quase interessante, de uma qualidade ótima mas de uma familiariedade muito alta para justificar sua aquisição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here