Pesquisar este blog

31 de mar de 2011

Elle, Homme, XXY, Irisss e Richwood - Xerjoff XJ17/17


A marca italiana Xerjoff surgiu em 2004 do desejo de seu fundador, Sergio Momo, em criar uma linha de perfumes onde a qualidade do design estivesse relacionada com a qualidade do conteúdo que vai dentro dele. Uma arte sem compromissos com o valor final ou sem preocupações com a acessibilidade fez dos primeiros frascos da linha XJ17 obras de arte caras e perfumadas, pouco comentadas. Uma nova edição, em frascos ainda sim elegantes porém, ainda que caros, mais acessíveis permitiram a um público mais amplo conhecer a visão de mundo que a Xerjoff tem em sua perfumaria mais exclusiva. Aos que procuram por uma arte inovadora e chocante pode haver um certo choque e decepção ao prová-los. XJ17 oferece uma experiência rica em detalhes, duradoura e intensa, em idéias tradicionais. Algumas delas nem tão exploradas comercialmente, outras um pouco mais conhecidas do público. O fato é que, mesmo o mais fraco da linha, Elle, é uma experiência luxuosa e perfumada que se mantém por horas na pele. XJ17 oferece a qualidade que olfativa da mesma que um sistema caro de aúdio pode ofecerer aos fanáticos por música.

Elle

Notas: aromas cítricos, frutas, gálbano, flor da laranjeira, iris, patchouli, resina, couro, ambar

Dos 5 perfumes provados, Elle talvez é o que mais se aproxime do estilo moderno feminino de perfume. Apesar de as notas não indicarem, Elle é um floral adocicado com uma saída frutal bem evidente. As frutas aqui remetem a frutas vermelhas em meio a notas cítricas, são frescas e bem naturais. O acorde frutal progride para uma base floral adocicada, onde a flor de larajeira e a iris formam uma combinação inusitada, um cheiro floral que sugere um aroma lácteo. O uso do gálbano é um diferencial em Elle, pois, dominante na maioria das composições empregadas, aqui ele apenas confere um equilíbrio verde e herbal, sem o seu lado amargo e mais complicado. Elle termina uma base amadeirada e ambarada elegante, porém rente a pele. ELLE parece perfeito para uma mulher da alta sociedade, um perfume que ela usaria em eventos sociais onde elegância e discrição são bem importantes. É provável que somente o seu círculo mais íntimo de amigos o irá sentir.

XXY

Notas: bergamota, pimenta, patchouli, ylang-ylang, jasmim

Em termos de nome e idéia, XXY é um dos mais controversos da linha. O objetivo aqui é criar, conforme o nome sugere, um perfume 'Hermafrodita', algo que combine aromas associados ao universo feminino, como as flores, como ao masculino, como o patchouli. O resultado passa longe da controvérsia que o nome parece indicar, e XXY é um excelente chipre moderno, intenso, duradouro, equilibrado. O patchouli aqui segue a tendência dos chipres modernos, mais adocicado e canforado, porém mantendo a nuance amadeirada também. A saída cítrica surpreende pela qualidade e pelo toque diferenciado, já que a maioria dos chipres modernos começam com um aroma frutal. O ylang-ylang, que nem o galbano do elle, tem suas facetas mais enjoativas e complicadas de serem dominadas suavizadas e o que predomina, junto com jasmim, forma um floral adocicado, sutilmente frutal, que combina em perfeição com o amadeirado adocicado e cremoso da base.

Irisss

Notas: sementes de cenoura, rosa, ylang-ylang, iris, jasmim, ylang-ylang, violeta, vetiver, cedro

A iris é uma parte da assinatura olfativa da marca presente de diversas formas em suas criações. Em Irisss, ela ganha destaque total no que parece ser um dos melhores soliflores de iris existentes no mercado. É possível perceber a iris do começo ao fim da composição, uma iris de uma qualidade difícil de conseguir. Irisss abre com um delicado aroma terroso, vegetal, uma combinação do cheiro da semente de cenoura com a iris, e logo evolui para um delicado, porém persistente, aroma floral atalcado, sutil, levemente adocicado. A melhor parte de Irisss é, entretanto, sua base, onde a iris se combina de uma forma incrível e deliciosa a um aroma amadeirado e incensado e uma cremosidade abaunilhada raramente vista em perfumes com essa nota. Iriss é um soliflore de iris elegante, complexo e fácil de ser usado em diferentes climas.

Homme

 Notas: notas cítricas, especiarias, cravo, lavanda, ylang-ylang, notas amadeiradas, vetiver, couro

Homme, assim como iris, surpreende dentro da linha XJ17 por mostrar como é possível fazer uma criação clássica e ainda sim memorável. Homme encarna perfeitamente o estilo Cuir de Russie com uma composição intensa e duradoura. Os primeiros minutos assustam um pouco, devido ao aroma floral cítrico oleoso, que remete ao produtos para dar brilho. Isso, porém, faz parte da temática utilizada, e é como uma percepção do tratamento aromático dado ao couro, a principal estrela da composição. O couro aqui é bem seco, sem possuir nuances emborrachadas; em vez desse aspecto, há um aroma amadeirado que, junto ao couro, permanece de uma forma evidente e duradoura na pele. Homme parece semelhante olfativamente ao Cuir de Russie da Creed, porém com o aspecto oleoso permanecendo somente nos primeiros minutos e com uma fixação muito superior.

Richwood

 Notas: Limão, rosa, Patchouli e Sândalo Indiano

Richwood, com apenas quatro essências, cria um perfume rico, elegante, balançeado e intenso. O mais intenso da linha XJ17, Richwood, apesar de vendido como um perfume de sândalo indiano, é uma mistura perfeita de patchouli e sândalo apoiada no cítrico do limão e no floral da rosa. O patchouli é seco, amadeirado, herbal, com uma sugestão gourmand de chocolate amargo, e remete imediatamente ao Coromandel. Entretanto, Richwood é superior e mais balanceado, com uma saída de uma limã cítrico e uma rosa floral levemente adocicada, notas que ajudam a balancear o patchouli e a evitar que ele vá por um território mais hippie. A transição entre o patchouli e o sândalo acontece gradualmente, e o sândalo que se apresenta na base do perfume só é possível em composições caras como essa, devido ao alto preço dessa variedade ameaçada de extinção. Há um uso generoso de um sândalo amadeirado, adocicado, cremoso, complexo, que contrasta bem com a faceta seca amadeirada do patchouli, formando como que uma dança sensual de duas madeiras extremante marcantes. Richwood é um luxo olfativo aos apreciadores de perfumes intensos e marcantes, um dos que mostram melhor o potencial da linha em utilizar matérias primas raras e caras em composições impecáveis do começo ao fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here