Pesquisar este blog

2 de jan de 2011

Bang - Marc Jacobs

Notas:
Pimentas (Preta, Branca, Rosa), notas amadeiradas, benjoim, vetiver, musgo branco, patchouli, resina elemi

Cuidado ao criar expectativas quanto a um perfume baseado em seu nome, frasco e propaganda. É muito comum na perfumaria comercial moderna a criação de perfumes focado em um nome marcante, uma publicidade atrevida, um frasco chamativo, mas que contém um perfume que não se conecta a esses elementos e que, mesmo não sendo ruim, acaba decepcionando quem compra.

Bang é um caso típico desse problema. Com um nome forte, impactante, um frasco metalizado curvado, que se destaca entre outros frascos, e uma publicidade que traz o próprio Marc Jacobs nú, escondendo as partes íntimas com Bang enorme estrategicamente posicionado, o consumidor que não conhece o funcionamento típico do marketing da perfumaria comercial é levado a esperar um perfume ousado e marcante.

Se há dois descritivos nos quais Bang não se encaixa são exatamente esses dois. Bang foi concebido a partir do gosto pessoal de Marc Jacobs por perfumes apimentados e criado para o homem contemporâneo, quer ele seja novo ou mais velho de idade, porém de espírito jovem. E assim, na tentativa de agradar gregos e troianos, Bang acaba sendo um perfume masculino com uma aura clássica, e uma projeção sutil na pele.

A pimenta é a primeira impressão que se tem do seu cheiro. É uma mistura de pimentas, onde a pimenta preta, com seu aroma mais seco e levemente animálico, se destaca em meio as pimentas branca e rosa, que conferem um aroma apimentado levemente adocicado na saída. Poucos minutos após essa explosão rápida de pimentas, Bagn acenta para um aroma de pele incensado, amadeirado, levemente musgoso. E assim, o conceito contemporâneo de perfume apimentado parece traduzido em algo praticamente imperceptível, feito para ser sentido somente por alguém muito próximo da onde o usuário aplicou o perfume. É uma pena, pois sua evolução é bem gostosa. O benjoim e a resina de elemi criam um adocicado leve, incensado, que combina perfeitamente com o aroma amadeirado do vetiver, com as notas amadeiradas (que parecem ser predominantemente compostas de iso e super e cedro sintético) e com o seco do musgo. Entretanto, esses detalhes acontecem de forma microscópia, sendo necessário aplicar o perfume várias vezes na pele para ser possível sentir de forma mais clara essas diferenças.

Bang não decepciona, porém não encanta. O caráter desconexo de seu cheiro, frasco, nome e publicidade acaba prejudicando em partes uma apreciação melhor dele. Todos os elementos para uma criação marcante estão presentes em suas notas. Falta apenas menos ganância e mais ousadia em criar um perfume que seja mais marcante e que, por ser assim, não agrade necessariamente a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com relação a postagem? Escreva aqui
Comments related to the post? Write them here